Al utilizar este servicio y el contenido relacionado, aceptas el uso de cookies para análisis, contenido personalizado y publicidad.
Estás usando una versión más antigua del explorador. Usa una versión compatible para obtener la mejor experiencia en MSN.

Chicago tem mais um dia de protestos em frente à sede do McDonald's

EFE EFE 22/05/2014 EFE Brasil
Manifestantes protestam contra acionistas do McDonalds em Chicago. © Foto: Jim Young/Reuters Manifestantes protestam contra acionistas do McDonalds em Chicago.

Cerca de 400 manifestantes receberam com cartazes e música os acionistas do McDonald's que chegaram de todo o país nesta quinta-feira para participar da assembleia geral da empresa, em Oak Brook, perto de Chicago.

Os manifestantes, que protestaram a distância por conta das barreiras instaladas pela polícia na sede da companhia, reiteraram suas reivindicações de um salário mínimo de US$15 por hora e melhores condições de trabalho.

O protesto, que durou cerca de duas horas, foi menor do que o realizado ontem por dois mil trabalhadores, ativistas comunitários e religiosos no local, que fica a 30 quilômetros de Chicago.

Hoje, os manifestantes vestiam camisetas com a inscrição 'Good jobs now' (Bons trabalhos agora)' e levavam cartazes em Inglês e Espanhol com palavras de ordem, como 'Levante-se, viva melhor'.

Conforme informou à polícia de Oak Brook, no primeiro dia, 130 foram detidos por invasão de propriedade privada e receberam uma multa de US$75 e uma citação para comparecer perante a Justiça.

Deivid Rojas, do Comitê Organizador dos Trabalhadores de Chicago, disse hoje à Agência Efe que neste segundo dia de protestos não houve problemas com as autoridades e que os manifestantes se limitaram a 'acompanhar com barulho a chegada dos acionistas e a manter a visibilidade'. O comitê é um dos grupos que tenta sindicalizar os empregados de restaurantes de fast-food com o apoio do Sindicato Internacional de Empregados de Serviço (SEIU).

Rojas admitiu que a tarefa é difícil porque a maioria é empregada por franqueados e a organização deve ser realizada em cada empresa.

'A empresa tem que reconhecer que somos sérios e não daremos marcha à ré', disse Jessica Davis que trabalha no McDonald's como instrutora de novos empregados.

O pastor afro-americano Arthur Berry, que veio de Detroit para participar dos protestos, foi um dos detidos ontem e declarou que voltou aos protestos, porque é consciente de que é 'muito difícil viver com um salário de US$7,40 por hora'.

Em Chicago, a indústria alimentícia paga o salário mínimo do estado de Illinois, que é de US$8,25 por hora, e os empregados trabalham meio período sem benefícios ou horários fixos.

Os protestos por um melhor salário no setor começaram no final de 2012 em Nova York e se estenderam a outras cidades dos Estados Unidos, assim como outros países.

Além do McDonald's, que é a maior rede de fast-food do mundo, outros operadores da indústria como Burger King e Wendy's foram alvo dos protestos dos ativistas.

Gestión anuncios
Gestión anuncios
image beaconimage beaconimage beacon