Al utilizar este servicio y el contenido relacionado, aceptas el uso de cookies para análisis, contenido personalizado y publicidad.
Estás usando una versión más antigua del explorador. Usa una versión compatible para obtener la mejor experiencia en MSN.

Descriminalização do aborto deve deixar de ser 'tabu' no Chile, diz Bachelet

EFE EFE 22/05/2014 EFE Brasil
Michelle Bachelet, presidente do Chile. © Foto: AFP/Getty Images Michelle Bachelet, presidente do Chile.

Santiago (Chile), 22 mai (EFE).- A presidente do Chile, Michelle Bachelet, afirmou nesta quinta-feira que a discussão sobre a descriminalização do aborto deve deixar de ser um tema 'tabu', depois das críticas da direita e da Igreja que recebeu ao anunciar ontem que enviará um projeto de lei sobre o tema.

'Eu respeito todas as opiniões. Sou pediatra e amo crianças. No entanto, isto é um tema tabu e me parece que não devem existir temas tabu, já que isso é antidemocrático', disse ela em uma entrevista ao canal de televisão 'Mega'.

Ontem, perante o Congresso, a presidente anunciou sua intenção de elaborar um projeto de lei para descriminalizar o aborto quando a mãe estiver em risco de morte, nos casos de estupro ou se o feto for inviável.

O tema, que Bachelet já adiantou em seu programa eleitoral, gerou reprovação da oposição conservadora e da Igreja Católica, assim como o ceticismo de alguns setores governistas como a Democracia Cristã (DC).

O ex-presidente Sebastián Piñera (2010-2014) também criticou o projeto. Pelo Twitter ele comparou a preocupação do executivo de Bachelet com a descriminalização com o projeto para cuidar dos animais de estimação que o governante anunciou nesta quarta-feira.

'Parece que há mais cuidado e preocupação com o bem-estar dos animais de estimação do que com a vida e a dignidade das crianças que estão para nascer', disse o ex-presidente na rede social.

Bachelet lembrou hoje que o aborto terapêutico era permitido no Chile durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), e considerou que o assunto 'é um problema de saúde pública' que deve ser discutido na sociedade e no parlamento.

'Eu nunca vou impor nada a ninguém; o Estado deve dar opções para estes temas', assinalou a presidente, que lamentou que em todos os meses mulheres morram por culpa de abortos ilegais realizados sem as condições médicas adequadas.

O aborto é proibido no Chile por uma norma imposta pelo ditador Augusto Pinochet em 1989, pouco antes de entregar o poder. Ele modificou o artigo 119 do Código Sanitário, que desde 1931 permitia o aborto terapêutico no país.

Após a modificação, o texto assinala que 'não poderá ser executada qualquer ação cujo fim seja provocar o aborto'. EFE

Gestión anuncios
Gestión anuncios
image beaconimage beaconimage beacon