Al utilizar este servicio y el contenido relacionado, aceptas el uso de cookies para análisis, contenido personalizado y publicidad.
Estás usando una versión más antigua del explorador. Usa una versión compatible para obtener la mejor experiencia en MSN.

Metade dos sírios está em situação alimentar crítica, alerta FAO

EFE EFE 13/05/2014 EFE Brasil
A metade da população síria, incluindo os 2,6 milhões de refugiados, está em uma situação alimentar crítica e sofre de desnutrição em consequência do conflito, informou nesta segunda-feira a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. © Foto: AP A metade da população síria, incluindo os 2,6 milhões de refugiados, está em uma situação alimentar crítica e sofre de desnutrição em consequência do conflito, informou nesta segunda-feira a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação.

Cairo, 12 mai (EFE).- A metade da população síria, incluindo os 2,6 milhões de refugiados, está em uma situação alimentar crítica e sofre de desnutrição em consequência do conflito, informou nesta segunda-feira a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

Em um encontro com jornalistas no Cairo, a FAO apresentou um relatório que destaca que 6,3 milhões de pessoas sobrevivem nessas condições dentro da Síria, o que 'representa um aumento de 50% em relação a junho de 2013'.

Esta situação foi provocada pelos estragos causados aos setores agrícola e da pecuária no país desde o início do conflito, em março de 2011.

A colheita de trigo de 2013 caiu 40% em um ano, o que, junto com a limitada capacidade de importação, 'torna o país incapaz de satisfazer sua demanda de consumo', apontou o relatório.

O documento acrescenta que um quarto do gado bovino do país e um terço do ovino morreu, e a produção de aves caiu pela metade.

Além disso, as famílias sírias viram o aumento de preços diminuir consideravelmente seu poder de compra, marcado também por 'uma situação de pobreza que afeta 60% da população, o dobro que em 2010, e de extrema pobreza, que chega a um terço dos habitantes'.

Tudo isso é agravado pelo incessante aumento do desemprego, que passou de uma média de 8% entre 2005 e 2012 para 49% em meados de 2013, acrescentou o relatório.

A grande queda da produção agrícola na Síria repercute de maneira inevitável nos países vizinhos, como Líbano, Turquia, Jordânia, Iraque e Egito, que tiveram que buscar outros provedores, 'aumentando sua exposição às variações de oferta e de preços mundiais e regionais'.

O relatório destacou que entre 2011 e 2012 o valor dos alimentos aumentou na região 'entre 5% e 10% , e entre 15% e 30 % em produtos como carne, laticínios, ovos e açúcar'.

As más condições veterinárias, sanitárias e fitossanitárias aumentaram o movimento incontrolado de gado não vacinado e sem tratamento, além de sementes e materiais de semeadura, rumo a Iraque, Jordânia e Líbano, que também tiveram a qualidade da água e da terra afetadas.

Para atenuar esta insegurança alimentar na Síria e nos países vizinhos, a FAO iniciou um programa baseado em 'fortalecer a resistência dos sistemas de gado para absorver, se recuperar e se adaptar de maneira sustentável aos impactos da crise síria'.

Para isso, este plano trabalha no controle de pestes e doenças animais e vegetais, na gestão de informação e desenvolvimento de políticas entre os diferentes atores, no aumento de renda e emprego, na segurança alimentar, na melhora da tecnologia agrícola e no empoderamento da população local.

Gestión anuncios
Gestión anuncios
image beaconimage beaconimage beacon