Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Caoa confirma estudo para construir fábrica em São Paulo

Logotipo do(a) Estadão Estadão 13/01/2020 André Ítalo Rocha
O governador de SP João Doria     © Felipe Rau/Estadão O governador de SP João Doria

O grupo Caoa, da indústria de veículos, confirmou ao Estadão/Broadcast que estuda construir uma nova fábrica no Estado de São Paulo, depois de o governador João Doria (PSDB) ter antecipado a informação a jornalistas nesta segunda-feira, 13.

De acordo com o tucano, o grupo Caoa, do empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, fará um investimento “forte” em parceria com um fabricante chinês, sem revelar o montante nem o nome do parceiro. O anúncio, segundo Doria, deve ser feito ainda em 2020.

O governador disse também que ainda não está definido em qual município deve ser instalada a nova planta. A Caoa não deu mais detalhes.

Doria, que conversou com jornalistas após participar de evento da indústria calçadista, deu a declaração logo depois ter confirmado quenão foi possível viabilizar a venda da fábrica da Ford para a Caoa. Segundo o governador, o negócio não se consolidou porque o parceiro chinês da Caoa queria um “espaço físico maior” para a produção.

No entanto, o que se afirmava nos bastidores do setor é que a Caoa dependia da obtenção de um financiamento para poder comprar a fábrica. Além disso, o próprio Carlos Alberto de Oliveira disse, em setembro, quando as negociações estavam ocorrendo, que não precisaria de todo o terreno da Ford e que metade da área seria mais do que suficiente.

Em dezembro, o empresário voltou a falar com jornalistas e disse que a chance de aquisição da fábrica era remota, depois de quase dez meses de negociações.

As conversas se iniciaram depois de a Ford ter anunciado, em fevereiro, que fecharia a operação de São Bernardo. Doria, então, começou a se movimentar para achar um comprador. Algumas empresas manifestaram interesse, mas a Caoa foi que conseguiu avançar nas negociações.

Em setembro, Doria chegou a convocar uma coletiva de imprensa para anunciar que a venda estava praticamente certa e que, antes da conclusão do negócio, as duas empresas passariam por um processo de auditoria. O dono da Caoa e o presidente da Ford na América do Sul, Lyle Watters, participaram da coletiva.

Em dezembro, quando disse que era “remota” a chance de comprar a fábrica da Ford, o dono da Caoa afirmou também que estava conversando com três empresas chinesas e pelo menos uma delas manifestou interesse em produzir carros no Brasil, parceria que, segundo ele, se confirmada, poderia não envolver a fábrica da Ford.

De acordo com o empresário, os chineses inclusive estariam dispostos a uma parceria em que a empresa brasileira ficaria com 51% das ações, ou seja, teria o controle majoritário do negócio. À época, contudo, o empresário não chegou a falar em uma nova fábrica nem que o novo negócio seria em São Paulo.

O grupo, fundado pelo empresário há 40 anos, já detém 50% de outra montadora chinesa, a Chery, com fábrica em Jacareí (SP), além de produzir, sob licença, alguns modelos da coreana Hyundai em Anápolis (GO). O grupo também atua como revendedor de veículos para diversas marcas.

____________________

Vídeo: Novo vírus ataca na China (AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon