Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

GM cessa operações na Venezuela após governo tomar fábrica

Logotipo do(a) Carplace Carplace 20/04/2017 Leo Fortunatti
Chevrolet Orlando © Fornecido por F.A. Trindade Comunicaçao ME Chevrolet Orlando

Em meio a uma crise política, a General Motors anuncia o cessação imediata das operações na Venezuela. Em anúncio oficial, a empresa explica que foi forçada a tomar esta decisão após o governo do país "confiscar" sua fábrica, em Valencia, além da retirada de diversos ativos do local, como automóveis, sem qualquer aviso prévio.

"Ontem (19), a fábrica da General Motors Venezuela foi inesperadamente tomada pelas autoridades públicas, impedindo operações normais. Além disso, outros ativos da empresa, como veículos, foram ilegalmente retirados de suas instalações", informou a montadora em nota oficial.

Também citou que as apreensões causaram "danos irreparáveis à empresa, seus 2.678 trabalhadores, seus 79 concessionários (a maior rede de serviços do país com mais de 3.900 trabalhadores) e seus fornecedores (representando mais Mais de 55% da indústria de autopeças na Venezuela)".

"A GMV (General Motors Venezuela) repudia as medidas arbitrárias tomadas pelas autoridades e tomar todas as medidas legais, dentro e fora da Venezuela, para defender seus direitos", disse a empresa

Fundada em 1948, a GMV, a montadora mais antiga e mais tradicional do país, e líder de mercado por mais de 35 anos consecutivos, é forçada a cessar suas operações na Venezuela devido a uma apreensão judicial ilegal de seus ativos. Em seu comunicado, a empresa assegura que fará (na medida do permitido pelas autoridades) o pagamento dos benefícios de separação dos trabalhadores decorrentes da cessação das relações laborais.

Chevrolet Aveo © Fornecido por F.A. Trindade Comunicaçao ME Chevrolet Aveo

Até então, a GM vendia três modelos de passeio (Aveo, Cruze e Orlando) e um caminhão, o NPR, no mercado venezuelano. O comunicado chega em um momento em que protestos contra o presidente Nicolás Maduro tomam conta do país .

Com toda esta situação, a GM finaliza seu comunicado dizendo que está confiante de que a justiça será feita e espera continuar a liderar o mercado venezuelano. Mesmo com a tomada de sua fábrica, a GMV, através dos seus concessionários, continuará a prestar serviços pós-venda e peças para os seus clientes.


image beaconimage beaconimage beacon