Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Testamos: VW Golf Variant é uma opção familiar, mas que não abre mão da esportividade

Logotipo do(a) Garagem 360 Garagem 360 24/08/2018 Leo Alves e Thalita Ribeiro
Testamos: VW Golf Variant é uma opção familiar, mas que não abre mão da esportividade - Foto; Leo Alves/Garagem360 © Foto; Leo Alves/Garagem360 Testamos: VW Golf Variant é uma opção familiar, mas que não abre mão da esportividade - Foto; Leo Alves/Garagem360

Há poucos meses, a linha Golf passou por uma leve reestilização no Brasil. As mudanças discretas também foram incorporadas à VW Golf Variant, perua derivada do hatch médio e que foi analisada pela equipe do Garagem360. A unidade, da configuração Comfortline, é a de entrada do modelo no Brasil e tem preço em R$ 103 mil.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Se o hatch que dá origem à perua tem três opções de motores no país, a Variant só pode ser encontrada com o 1,4l TSI de 150 cv. Vinda do México, a wagon recebeu, além do redesenho frontal, 10 cv a mais em seu propulsor. Isso independentemente do combustível utilizado, já que é flex.

LEIA MAIS: Testamos: Volkswagen Virtus anda bem e tem espaço de sedã médio por R$ 60 mil

Testamos: Por R$ 59.240, Volkswagen Up Pepper é o carro mais legal das ruas brasileiras

Nos testes, abastecida com gasolina, a perua demonstrou um fôlego condizente com a fama do Golf. Os 25,5 kgfm de torque são alcançados em baixa rotação. Com isso, o carro ganha velocidade sem modéstia se o motorista tiver o pé pesado. Não é difícil ver o ponteiro do painel de instrumentos subir e é preciso segurar o ímpeto para manter-se dentro dos limites.

Impressões VW Golf Variant

Os 4,56 m de comprimento da perua e os 2,63 m de entre-eixos proporcionam um bom espaço para os ocupantes. Até quatro adultos viajam com conforto, já que o túnel central é bem elevado e pode incomodar um quinto passageiro. O carro é extremamente confortável.

Mesmo sendo larga e comprida, a Golf Variant passa sem dificuldade em ruas apertadas e não é difícil encontrar uma vaga na hora de estacionar. Nesse ponto, a câmera de ré merece destaque por proporcionar uma boa visão. Os sensores de estacionamento, por sua vez, são bem escandalosos e apitam freneticamente mesmo com os obstáculos distantes.

Ao volante, não é difícil encontrar a posição ideal de condução. Todos os comandos estão próximos ao motorista e o painel de instrumentos tem boa visibilidade e leitura fácil. O acabamento interno também agrada, tendo boa montagem e utilizando acabamento emborrachado no painel central. Nele, outro destaque é o sistema multimídia. Com 6,5 polegadas, ele tem conexão fácil e funciona bem com aparelhos Android e iOS. Para quem é fã de CD, há uma entrada dentro do porta-luvas, coisa rara nos tempos atuais.

Como anda

Além de ter um motor potente e econômico – fez 9,2 km/l de média, ela também tem uma dirigibilidade exemplar. A Variant vai bem tanto em estradas sinuosas quanto em curvas de alta velocidade. O acerto de suspensão não é muito duro, mas mantém a carroceria firme. Já a direção é macia e leve para manobrar. Porém, não é molenga, sendo precisa e mais firme em velocidades altas.

A transmissão de seis velocidades tem funcionamento suave e casa bem com o motor. As trocas são imperceptíveis e há a possibilidade de troca manual na alavanca e nas borboletas atrás do volante. Ao parar o carro no trânsito, o propulsor é desligado pelo sistema start-stop. Seu funcionamento não é dos mais discretos, mas auxilia na economia de combustível. Quem não é fã dele, pode desativá-lo por meio de um botão ao lado do câmbio.

Vale a compra?

Se a vida do Golf não está fácil no mercado brasileiro, a situação da Golf Variant é ainda mais delicada. Com a popularização dos SUVs, as peruas correm risco de extinção no país. Felizmente a wagon da Volkswagen continua no mercado e pode agradar quem precisa de espaço para transportar a família, mas deseja um pouco mais de esportividade.

Essa perua é, definitivamente, um carro feito para quem gosta de dirigir. Porém, seu preço poderia ser mais atraente. Um exemplar como o testado sai por R$ 113.590, já que as rodas de 17 polegadas e o teto solar panorâmico são opcionais. Esses dois itens não são oferecidos de série nem na versão mais completa, a Highline.

Apesar de ser cara, quem busca uma perua nessa faixa de preço só tem a Variant como opção. E lembrar que há 20 anos a disputa do segmento das peruas médias era entre VW Santana Quantum, Fiat Marea Weekend e Ford Escort SW. Isso sem contar as pequenas VW Parati, Chevrolet Corsa Wagon e Fiat Palio Weekend – esta, ainda em linha, mas sem receber atualizações há anos.

------------------------------------

Mais de Garagem 360

image beaconimage beaconimage beacon