Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Demi Moore substitui Sharon Stone em novo filme

Logotipo do(a) BANG ShowbizBANG Showbiz 14/06/2018 Bang Showbiz
Demi Moore © Bang Showbiz Demi Moore

Demi Moore se juntou ao elenco do filme "Corporate Animals".

A atriz de 55 anos vai estrelar ao lado de Jessica Williams e Ed Helms na comédia dirigida por Patrick Brice, na qual terá o papel de Lucy, a CEO do principal fornecedor de talheres comestíveis dos EUA, de acordo com a publicação 'Deadline'.

No filme, Lucy pede a seus funcionários que participem de um fim de semana de consolidação de equipes corporativas em uma caverna no estado americano do Novo México, quando um desastre os prende no subsolo.

O grupo, então, enfrenta a árdua tarefa de manter-se vivo ao mesmo tempo em que lida com tensões sexuais e até mesmo com canibalismo.

Originalmente, o papel seria interpretado por Sharon Stone, mas ela precisou se retirar do projeto devido a conflitos em sua agenda.

Apesar de ser uma das atrizes mais conhecidas do mundo, Demi nunca teve aulas formais de atuação e anteriormente admitiu ter inseguranças quanto ao seu talento.

"Eu tinha muito medo. Pensava que se um professor de atuação falasse que eu não era boa, eu não iria adiante. Era mais fácil para mim ir a um teste de elenco e ser rejeitada porque eles queriam alguém loira ou talvez porque eu não tinha experiência suficiente do que pela falta de talento em si. Eu conseguiria lidar com isso mais facilmente", compartilhou.

No entanto, Demi revelou que protagonizar "Ghost - Do Outro Lado da Vida" provou ser a grande virada em sua carreira.

"Não foi até [o diretor] Jerry Zucker me dar a chance em 'Ghost', acreditando em mim e pensando que eu era capaz, que eu ultrapassei minhas próprias limitações e comecei a acessar o que eu tinha dentro de mim e estava escondido. Não que eu não precise de validação e não queira que as pessoas me dêem tapinhas nas costas. Todos nós necessitamos disso, mas não é algo que eu sinta orgulho de precisar. Na verdade, eu não conheço ninguém que levante a mão e diga: 'Oh Deus, eu amo ser vulnerável e carente'", concluiu.

image beaconimage beaconimage beacon