Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Mesmo com as chuvas, estado de alerta continua no Sistema Cantareira

Logotipo do(a) Veja São Paulo Veja São Paulo 31/07/2018 Rosana Zakabi
Vista aÈrea com drone da represa do Jaguari: Sistema Cantareira: estiagem, apesar do tempo chuvoso © Estadão Conteúdo Sistema Cantareira: estiagem, apesar do tempo chuvoso

Nem a operação plena da principal obra feita para socorrer o Sistema Cantareira em período de seca tem sido capaz de estancar a queda do nível de armazenamento das represas. Embora a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) esteja bombeando quase o máximo de água possível pela transposição da Bacia do Paraíba do Sul, a estiagem já pôs o maior manancial que abastece a Grande São Paulo em estado de alerta, operando com menos de 40% da capacidade pela primeira vez desde junho de 2016. Apesar de o cenário de seca continuar, a Sabesp descarta risco de racionamento ao menos até o segundo semestre de 2019.

Nos últimos dois meses, a estatal retirou da Represa Jaguari (Paraíba do Sul) uma média de 8,1 m³/s, segundo relatório da Agência Nacional de Águas (ANA), órgão regulador dos recursos hídricos no País – a capacidade máxima de transferência é de 8,5 m³/s. Ainda assim, o nível do Cantareira caiu de 46,2% no dia 1.º de junho para 39,7% da capacidade nesta segunda-feira (30).

O estado de alerta é um dispositivo automático, que passa a vigorar sempre que o limite de 40% da capacidade é atingido, e restringe o volume máximo de captação, que deve cair de 31 m³/s para 27 m³/s. Atualmente, a Sabesp tem retirado 22,2 m³/s.

As chuvas abaixo da média têm ocorrido desde fevereiro, mas a seca se acentuou neste mês, quando choveu, até esta segunda, apenas 1,2 mm – ante uma média de 48,7 mm. Embora tenha começado a chover nesta terça-feira (31) e a previsão aponte para mais precipitações ao longo desta semana, o clima seco deve se manter. É uma “falsa esperança”, segundo a meteorologista Patrícia Madeira, do Climatempo.

“Agosto não é de chuva que enche reservatório”, afirma ela. “Entre terça e domingo, o volume deve ficar entre 50 mm e 60 mm acumulados, é bastante chuva (para a época). Vai melhorar a situação, mas depois vai cair outra vez. Do dia 10 até o fim de agosto, vai chover muito pouco.” Segundo Patrícia, “de forma geral, (a chuva) tem sido abaixo da média nos últimos cinco anos. A única exceção foi 2017, que foi um bom ano.”

A transposição de água da Represa Jaguari para a Represa de Atibainha, que integra o Cantareira, foi uma das principais obras realizadas pela empresa para evitar uma nova crise hídrica como a que ocorreu entre 2014 e 2015, quando a Sabesp captou água do volume morto (reserva profunda) e implementou racionamento – a outra foi a construção do Sistema São Lourenço. A obra foi inaugurada em março, com dois anos de atraso.

O bombeamento máximo da transposição só começou em junho, quando o Cantareira já estava havia dezesseis meses recebendo menos água dos afluentes que a média histórica. Neste mês, a vazão média é de 7 4 m³/s, próximo do recorde negativo de 6,4 m³/s de julho de 2014 – o índice histórico de julho é de 28 m³/s.

A Sabesp, por sua vez, argumenta que o volume de água retirado do Cantareira é menor do que o registrado no passado e essa redução economizou 245,8 bilhões de litros das represas. “Em julho de 2018, a média de retirada da Sabesp é de 22,2 m³/s. O máximo autorizado pelos órgãos reguladores é de 31 m³/s”, diz a empresa. É uma média abaixo da nova retirada máxima determinada pela ANA (27 m³/s). “Se a Sabesp não tivesse adotado essa medida, o Cantareira hoje estaria com 15% da capacidade, não com cerca de 40%.”

A empresa destaca que há outras manobras a serem feitas entre os reservatórios para garantir o abastecimento, mas já faz um apelo à população para reduzir o consumo, especialmente nos meses em que a entrada de água no Cantareira está próxima das mínimas históricas. “É essencial que a população mantenha sempre os hábitos de consumo racional de água, evitando o desperdício, especialmente neste período de estiagem.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais em Veja São Paulo

image beaconimage beaconimage beacon