Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Festival Verão Sem Censura põe São Paulo na dianteira da defesa da cultura

Logotipo do(a) Cláudia Cláudia 14/01/2020 Colaborou: Gabriela Teixeira
Censurado pela Funarte, espetáculo Res Publica 2023 é um dos destaques do Festival © Priscila Prade/Reprodução Censurado pela Funarte, espetáculo Res Publica 2023 é um dos destaques do Festival

Há um ano no comando da Secretaria de Cultura da cidade de São Paulo, Alê Youssef parece afeito a projetos ambiciosos. Sob a tutela dele, a Virada Cultural realizada em maio de 2019 teve recorde de público, atraindo 5 milhões de pessoas. Para o próximo Carnaval, mais um número grandioso: 865 blocos e cordões devem tomar as ruas da capital durante a folia, que pode se tornar a maior do país. Antes, porém, um outro evento já está marcado na agenda cultural de São Paulo.

Entre os dias 17 e 31 de janeiro, o Festival Verão Sem Censura se compromete a acolher manifestações culturais que passaram por algum tipo de repressão recentemente. Com uma programação repleta de peças, filmes, exposições, debates e outras atrações, os 15 dias de evento contam com mais de 45 atividades gratuitas, nas cinco regiões da cidade.

Youssef define o projeto como uma “concretização coletiva da defesa da cultura”, que tem sido alvo de ataques por parte do governo Bolsonaro “O festival é fundamental para a defesa da liberdade de expressão, democracia, da civilização e do pensamento. Ao realizá-lo, estamos posicionando a maior cidade do Brasil, que é a capital nacional da cultura, na defesa contundente desses valores”, explica o secretário.

Muito antes de ser eleito presidente da República, Jair Bolsonaro já fazia questão de não esconder sua aversão à cultura. Crítico ferrenho da Lei Rouanet, um dos pilares de sua campanha foi a promessa de “acabar com a mamata” de artistas que estariam desperdiçando dinheiro público. Dito e feito. Tão logo assumiu a presidência, ele tratou de desmontar o Ministério da Cultura, primeiro o transformando em Secretaria Especial da Cultura e, em seguida, subordinando a pasta ao Ministério do Turismo.

Leia também: Democracia em Vertigem representa o Brasil no Oscar 2020

Alvo de críticas, a medida não foi a única polêmica do presidente em relação ao setor cultural. Em junho de 2019, ele nomeou o diretor de teatro Roberto Alvim para a diretoria do Centro de Artes Cênicas da Funarte (Fundação Nacional de Artes). Seguindo sua linha ideológica conservadora, uma das primeiras ações de Alvim foi censurar a realização da peça Res Publica 2023, produção da companhia “A Motosserra Perfumada”. A obra aborda, entre outros temas, a ditadura militar. Proibida de ocupar um espaço na Fundação, a peça recebeu o aval do prefeito Bruno Covas para ser encenada no Centro Cultural São Paulo.

“Depois disso, veio uma avalanche de situações parecidas e continuamos acolhendo essas peças. Então percebemos que seria importante condensar todo esse trabalho em um movimento importante, impactante e simbólico”, revela Youssef. Uma vez nascida a ideia, o secretário afirma que não houve dificuldade para realizar o festival, abraçado por todas as áreas do governo municipal. “Tivemos também um ‘apoio curatorial’ do Governo Federal, que nos forneceu muito conteúdo”, brinca.

Já em sua primeira noite, o Verão Sem Censura será aberto com show de Arnaldo Antunes na Praça das Artes, cujo videoclipe O Real Resiste teve exibição barrada na TV Brasil por conter temas críticos ao governo. Um pouco mais tarde, o DJ Rennan da Penha se apresentará na sacada do Theatro Municipal, levando o som do funk a um espaço tradicionalmente elitizado. “Não dá para falar de censura e repressão sem falar do funk. Assim como movimentos musicais como o samba e o hip hop, o funk sofre muito preconceito e perseguição enquanto cultura e expressão legítima. Por isso fizemos questão de colocá-lo no festival.”

O secretário explica que o show também dá continuidade a uma série de ações que a prefeitura tem feito para popularizar o Municipal. Em 2019, 52% das pessoas que estiveram no local jamais haviam visitado o espaço antes. “Acreditamos que o Theatro tem que estar aberto para todos. No lugar de um antagonismo, [o show de Rennan da Penha] deve ser visto como um elemento natural de ocupação do nosso maior palco.”

Questionado sobre possíveis represálias, Youssef afirma não ter receios. “É natural que o festival seja visto como um contraponto à postura do governo federal. Mas São Paulo é um berço cultural e continuará sendo, independentemente de qualquer ação deste Governo. E, como já disse o prefeito Bruno Covas, é nosso papel enquanto maior cidade do país ser um grande ponto de defesa e de luta pela democracia.”

A programação completa do Festival Verão Sem Censura pode ser conferida aqui. Para as peças de teatro, a distribuição de ingressos será feita com 1h de antecedência. No caso das apresentações na Praça das Artes, o acesso é livre.

Leia também: Petra Costa: Diretora brasileira indicada ao Oscar tem 3 filmes na Netflix

+ Indicada ao Oscar 2020, animação “Hair Love” fala sobre cabelo afro

Horóscopo: Previsões astrológicas para todos os signos em 2020

Repetir vídeo

Mais de Cláudia

image beaconimage beaconimage beacon