Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Balança comercial acumula superávit de US$ 60,285 bilhões no ano

Logotipo do(a) Estadão Estadão 13/11/2017 Lorenna Rodrigues

BRASÍlLIA – Com superávit de US$ 1,822 bilhão nas duas primeiras semanas de novembro, a balança comercial brasileira acumula em 2017 um saldo positivo de US$ 60,285 bilhões, o maior resultado para o período e acima de todos os valores anuais já registrados. A previsão do governo é que o saldo comercial neste ano fique entre US$ 65 bilhões e US$ 70 bilhões.

++Trabalhador é condenado a pagar R$ 8,5 mil em honorários com regra da reforma trabalhista

Na primeira semana de novembro (1 a 5), com apenas dois dias úteis, foi registrado superávit de US$ 532 milhões, resultado de exportações de US$ 1,869 bilhões e importações de US$ 1,337 bilhões. Já na segunda semana (6 a 12) as vendas ao exterior somaram US$ 4,383 bilhões e as compras de fora chegaram a US$ 3,093 bilhões, o que significou um superávit de US$ 1,290 bilhão.

++ESPECIAL Exportação agrícola, um caminho de alto custo

Exportação perde força, e importados voltam a ganhar espaço no mercado nacional: As exportações de produtos manufaturados caíram 8,0% nas duas primeiras semanas de novembro por conta de açúcar refinado, tubos flexíveis de ferro e aço, gasolina e medicamentos. © Rafael Arbex/Estadão - 9/6/2017 As exportações de produtos manufaturados caíram 8,0% nas duas primeiras semanas de novembro por conta de açúcar refinado, tubos flexíveis de ferro e aço, gasolina e medicamentos.

++'Pautas-bomba' de parlamentares põem ajuste fiscal sob risco

Nas duas primeiras semanas, as exportações subiram 10,2% em relação ao mesmo período de 2016, graças ao aumento nas vendas de produtos básicos (+35,3%, principalmente soja em grãos, milho em grãos, minério de ferro e carne bovina) e semimanufaturados (+12,5%), principalmente celulose, semimanufaturados de ferro e aço e ferro fundido). Já as exportações de produtos manufaturados caíram 8,0%, por conta de açúcar refinado, tubos flexíveis de ferro e aço, gasolina e medicamentos.

Nas importações, houve alta de 10,4% na mesma comparação, com aumento nas compras de alumínio e obras (+69,9%), combustíveis e lubrificantes (+44,8%), equipamentos eletroeletrônicos (+26,6%) e químicos orgânicos e inorgânicos (+18,9%).

++VEJA TAMBÉM Semana tem divulgação de outros indicadores, como a Pesquisa Mensal do Comércio


Siga o MSN no Facebook

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon