Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Busca por dólar em casas de câmbio dispara, mesmo com moeda em alta

Logotipo do(a) Estadão Estadão 4 dias atrás Anna Carolina Papp, Ana Carolina Neira, Malena Oliveira
ctv-epp-dolar: Coro por impeachment de Donald Trump engrossa no exterior © Marcello Casal Jr/Agência Brasil Coro por impeachment de Donald Trump engrossa no exterior

A busca por dólares nas casas de câmbio disparou nesta quinta-feira, 18, com notícias de que os donos da JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, gravaram o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio do deputado afastado Eduardo Cunha, atualmente preso após investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal.

A demanda avançou mesmo com a forte alta da moeda, que chegou a ser cotada a R$ 3,70 na venda, na modalidade turismo. Compradores, no entanto, tiveram dificuldades para fazer a conversão e as trocas chegaram a ser interrompidas em algumas casas.

Bolsa fecha em queda de 8,8% e dólar sobe para R$ 3,38 após denúncia contra Temer

A plataforma Melhor Câmbio, que reúne corretoras de 15 Estados, apresentou instabilidade no acesso no início da tarde. "A média de visitantes quase triplicou, passando de 800 para mais de 2 mil", diz Stéfano Assis, presidente da startup.

Em São Paulo, a cotação do dólar turismo variava de R$ 3,51 a R$ 3,69 no início da tarde para a compra de moeda em espécie, segundo a Melhor Câmbio. Após o fechamento do mercado à vista, a cotação do dólar turismo subiu para a faixa entre R$ 3,58 e R$ 3,70. Na véspera, a moeda era encontrada por R$ 3,26, em média.

AO VIVO: Veja as repercussões da denúncia

Para o cartão pré-pago recarregável, a cotação variava entre R$ 3,68 a R$ 3,77 no início da tarde. Ao fim dos negócios, a faixa subiu para valores entre R$ 3,75 e R$ 3,80.

Os preços no cartão são tradicionalmente maiores por conta da alíquota de 6,38% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que é pago pelo consumidor no ato da compra. Para moeda em espécie, essa alíquota é de 1,1%.

Bolsa despenca na abertura e trava negociações pela 1ª vez desde 2008

Presidente da Neo Câmbio, plataforma que reúne diversas corretoras, Jung Park explica que muitas dessas empresas deixaram de trocar moeda por terem um estoque baixo e também por um problema de comunicação entre bancos e o Banco Central, que informa a essas instituições a cotação que deve ser utilizada nas operações. "A estratégia foi vender mais caro ou interromper os negócios", diz Park. O executivo afirma que o número de usuários da plataforma passou de uma média de 2 mil para 4 mil hoje.

Na Cotação Corretora, houve atraso na abertura. "Em vez de 9h, a abertura foi um pouco antes das 10h. Esperamos porque queríamos ter a precificação correta. Depois disso operamos normalmente", diz Alexandre Fialho, diretor da Cotação Corretora. O executivo diz que a demanda pela moeda americana foi de três a quatro vezes maior do que o habitual.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon