Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Dólar estressa com noticiário econômico e fecha próximo de R$ 4,00

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 4 dias atrás Gabriel Ponte
Na sessão de negócios de hoje, o dólar norte-americano chegou a alcançar o patamar dos R$ 4,00, em meio ao estresso do noticiário econômico. © Reprodução: Carlos Severo Na sessão de negócios de hoje, o dólar norte-americano chegou a alcançar o patamar dos R$ 4,00, em meio ao estresso do noticiário econômico.

Acompanhando a conjuntura doméstica e internacional, o dólar norte-americano chegou a alcançar durante a sessão de negócios desta 4ª feira (15.mai.2019) a cotação máxima de R$ 4,0196.

A divisa estrangeira, no entanto, esfriou o movimento de alta após circular a informação, divulgada pela Agence France Presse, de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deverá adiar a sobretaxa aplicada a importação, pelos EUA, de veículos e autopeças oriundos da União Europeia e Japão.

Com isso, a moeda dos EUA fechou em alta de 0,48%, aos R$ 3,9958 a venda.

O sócio fundador do grupo Laatus, Jefferson Laatus, disse que “o mercado está sensível e esse conflito tarifário aumenta muito a sensibilidade dos negócios”. “Com cenário externo e tensão comercial, o dólar abriu acima dos R$ 4,00, chegando a fazer máxima quase de R$ 4,03. No entanto, as informações de que Trump eventualmente adiaria a sobretaxa aplicadas a produtos estrangeiros, o que acalmou os agentes, além de fazer o petróleo subir 1 pouco. No geral, entretanto, o mercado ainda está em realização.

O mercado está sensível, esse conflito tarifário aumenta muito a sensibilidade dos negócios, que oscilam a qualquer tweet“, disse. “Há cerca de 10 dias, quando anunciou que iria aumentar a sobretaxa a US$ 200 bilhões em produtos chineses para 25%, Trump tinha o intuito de pressionar o país asiático, o que a gente chama de ‘blefada’. No entanto, a decisão da China foi aceitar a alíquota, ou seja, o presidente não teve como voltar atrás, desencadeando várias coisas e quem perde isso é os Estados Unidos. Com isso, Trump está sendo muito criticado, principalmente pelo seu eleitorado de agricultores“, completou Laatus, que também apontou para o aumento, pelos chineses, da importação de soja brasileira.

Mercado financeiro em queda 

Já o Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), operou com perdas no pregão desta 4ª (15.mai), em meio à diminuição do ímpeto ao risco por parte dos agentes econômicos.

O balcão de negócios paulista encerrou em depreciação de 0,51%, aos 91.623 pontos, perdendo, novamente, o patamar dos 92 mil pontos. Na mínima do dia, no entanto, o índice chegou a alcançar os 90.294 pontos. O volume negociado no dia foi de R$ 17,4 bilhões.

O estresse foi motivado por fatores locais, como a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, pela Câmara dos Deputados, para esclarecimentos sobre contigenciamento na educação, assim como o noticiário internacional.

No Brasil, o BC (Banco Central) divulgou o IBC-BR, uma espécie de ‘prévia’ do PIB (Produto Interno Bruto) oficial, apontando para recuo de 0,68% da economia doméstica no 1º trimestre deste ano, em comparação com o 4º trimestre de 2018.

Os dados vêm em linha com as falas do ministro da Economia, Paulo Guedes, que projetou nesta 3ª feira (14.mai.2019) o avanço do PIB brasileiro em 1,5% neste ano, de acordo com as perspectivas governo.

O mercado financeiro também observou, com cautela, os protestos contra os cortes na educação. Os atos foram realizados nesta 4ª feira (15.mai) em várias cidades do país.

Conjuntura exterior 

A informação de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deve adiar a imposição de tarifas sobre a importação de automóveis e autopeças em 6 meses esfriou o movimento de queda nos mercados globais.

As tarifas seriam implementadas no próximo sábado (18.mai.2019), quando os bens seriam tarifados em 25%, afetando a balança comercial de economias como a União Europeia e Japão.

Com isso, no continente europeu, Frankfurt (+0,92%), Londres (+0,80%) e Paris (+0,62%) encerraram o dia em direção única, refletindo o posicionamento de Trump.

A melhora também se fez presente nos Estados Unidos, onde Dow Jones (+0,45%), Nasdaq (+1,13%) e S&P500 (+0,58%), índices que compõem a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês), operaram, no dia, com viés positivo.

Conflito tarifário

Em relação à guerra comercial travada entre EUA e China, o secretário do Tesouro norte-americano, Steve Mnuchin, afirmou 4ª feira (15.mai) haver a possibilidade de nova reunião com autoridades chinesas, apesar de sinalizar a manutenção, no curto prazo, das sobretaxas estadunidenses.

As declarações foram dadas na comissão do Senado norte-americano responsável por discutir as negociações da guerra comercial com o país asiático.

Mais cedo, os mercados mundiais estressaram com a divulgação de uma bateria de resultados de EUA e China, que apontaram para desaceleração de indicadores no mês de abril (vendas de varejo e produção industrial).

Vídeo: Educação: entenda o orçamento das universidades (Estadão)

A SEGUIR
A SEGUIR

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon