Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Definição de nova meta fiscal fica para 2ª feira, diz governo

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 10/08/2017 Felipe Machado
Taxa Selic – Juros – Real – Moeda: A meta atual para o rombo das contas públicas no ano é de um déficit de 139 bilhões de reais © Getty Images A meta atual para o rombo das contas públicas no ano é de um déficit de 139 bilhões de reais

A definição de uma nova meta fiscal para o resultado primário de 2017 foi adiada para segunda-feira, segundo informações do Ministério do Planejamento. O presidente Michel Temer se reuniu no final da manhã desta quinta-feira com o chefe da pasta, Dyogo Oliveira, da Fazenda, Henrique Meirelles, outros membros da equipe econômica e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Havia a expectativa de que o anúncio da nova meta fosse feito ainda nesta quinta-feira.

A meta atual para o rombo das contas públicas no ano é de um déficit de 139 bilhões de reais. O mercado estima que o governo fechará o ano com um déficit maior, de 154,81 bilhões de reais, segundo Boletim Prisma divulgado nesta quinta-feira pelo Banco Central. O déficit primário do governo central acumulado até junho é de 56,092 bilhões de reais, o maior para o período na série histórica iniciada em 1997.

Disputa

Até a véspera, trabalhava-se com a ideia de mudança na meta apenas em setembro, quando será publicado novo relatório de receitas e despesas. A disputa dentro do governo estava intensa, com parte do Planalto alinhada com o Ministério do Planejamento no intuito de promover a mudança.

Mas a Fazenda ainda preferia esperar mais para manter a mensagem de maior austeridade. O ministro da pasta, Henrique Meirelles, chegou a dar uma série de declarações nesse sentido, apontando que ainda era cedo para anunciar qualquer mudança e que isso deveria ser em feito em 60 dias ou menos.

Rombo

Com os gastos em alta e receitas em queda, a equipe econômica tem contingenciado despesas e estudado medidas como aumento de impostos para sanar as contas públicas. O aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis, em julho, foi uma tentativa de aumentar a arrecadação em 13 bilhões de reais neste ano.

Outra medida que estava em estudo pelo Ministério da Fazenda era aumentar o imposto de renda. A informação motivou o presidente Michel Temer a divulgar nota negando a possibilidade, em razão da repercussão.

(Com Reuters)

Arquivado em: Economia

Vídeo: Foi demitido? Veja como contar isso na entrevista (Via Exame.com)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon