Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Deputados aprovam reforma tributária na CCJ da Câmara

Logotipo do(a) Estadão Estadão 22/05/2019 Idiana Tomazelli

O presidente da CCJ da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR). © Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil O presidente da CCJ da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR).
BRASÍLIA - A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou a proposta de reforma tributária, de autoria do líder do MDB, Baleia Rossi (SP) nesta quarta-feira, 22. Deputados de oposição admitiram que a proposta é constitucional e votaram a favor da matéria no colegiado, sob a condição de que os detalhes serão debatidos em uma comissão especial.

"Somos favoráveis a sua admissibilidade para posterior na comissão especial, porque tive garantias de que ela não concentrará renda em tributos da União, que a União não vai gerir o fundo, que será conjunta por Estados e Municípios, dentre outros pontos. Isso nos dá segurança para votar a favor aqui na CCJ, sem prejuízo para o debate futuro", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

Contrário ao texto, o deputado Ivan Valente (Psol-RJ) afirmou que a reforma tributária deveria ser tratada antes da reforma da Previdência porque a primeira organizaria o ambiente econômico para a segunda não "maltratar" a população mais vulnerável. Valente também criticou o acordo feito pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de só criar a comissão especial que analisará a proposta depois da apresentação do parecer da reforma da Previdência, o que só deve acontecer em meados de junho.

"Essa é a sinalização para o mercado financeiro. Primeiro, o corte, o ajuste fiscal. Então, a reforma da Previdência é um 'asfixiamento' fiscal dos mais pobres. O governo precisa de R$ 1 trilhão para mostrar que o País é confiável, que podem investir, mas isso é ter fé", disse.

A deputada Érika Kokay (PT-DF) criticou a proposta por entender que ela não enfrenta "o caráter concentrador de riquezas ao não taxar lucros e dividendos. Já o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) elogiou a medida. "Todos nós somos conscientes de que o Brasil já passou da hora de promover reforma tributária. Aqui estamos diante de uma pequena reforma, mas muito bem elaborada pelo deputado Baleia Rossi, unifica cinco impostos e facilita a vida do empresário", disse.

A votação estava prevista para as 14h, mas lideranças temiam uma sessão esvaziada diante do foco do governo na aprovação da Medida Provisória (MP) 870, que implementou a reestruturação dos ministérios.

Comissões

A CCJ é a primeira parada de qualquer proposta que altere a Constituição. É preciso o sinal verde do colegiado para que o texto avance à comissão especial, que discutirá o mérito da proposta.

Na terça-feira, Francischini disse que não esperaria o governo apresentar sua proposta de reforma tributária para avançar com o tema. A intenção era liquidar o primeiro estágio da tramitação ainda esta semana. Ele ainda sugeriu que a equipe econômica agilizasse logo suas sugestões de mudança no texto.

Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), só deve instalar a Comissão Especial da reforma tributária após o relator da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentar o seu parecer. O tucano planeja apresentar o relatório até 15 de junho.

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon