Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Em nova tentativa, governo consegue aprovar urgência para reforma trabalhista

Logotipo do(a) Estadão Estadão 20/04/2017 Eduardo Rodrigues, Daiene Cardoso
ctv-y8l-camara19 dusek: Sob gritos de 'Golpe', Maia culpou oposição por falta de acordo © André Dusek/Estadão Sob gritos de 'Golpe', Maia culpou oposição por falta de acordo

BRASÍLIA - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 19, o regirme de urgência para a tramitação da reforma trabalhista. Assim, a proposta deve ir direto a plenário, sem passar pela comissão especial instaurada para discutir o tema. Foram 287 votos a favor e 144 contra. Na véspera,líderes da base propuseram, sem sucesso, o regime de urgência para a tramitação.

Após colocar novamente em votação o pedido de urgência para a reforma trabalhista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confrontou-se com a oposição no plenário. Os parlamentares contrários à nova votação fizeram uma questão de ordem, recusada pelo presidente, que também ignorou um recurso apresentado pelos deputados.

Diversos parlamentares da oposição então subiram à mesa de Maia gritando “Golpe, Golpe”, o que deu início a um longo bate-boca, enquanto deputados da base gritavam “Voto, Voto”. Líderes da oposição inclusive ameaçaram ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a nova votação pela urgência.

Visivelmente exasperado, Maia culpou a própria oposição pela falta de um acordo para que essa votação ocorresse em 3 de maio. “O PT impediu o acordo. Se o PT não quer votar, não vai 'esculhambar' a votação no plenário. Se a base tiver voto, ganha. Se não tiver, perde”, completa.

Deputados da oposição seguravam cartazes com a frase “Cunha de novo não” em referência à prática do ex-presidente da Casa em refazer votações perdidas. Um requerimento idêntico de urgência para reforma trabalhista foi derrotado ontem no plenário da Câmara, com o apoio de apenas 230 deputados, enquanto 163 votaram contra e apenas um parlamentar se absteve. Sem os 257 votos necessários, o requerimento foi rejeitado. Maia assumiu a culpa por ter encerrado a sessão com quórum insuficiente para aprovar o pedido.

Em discurso, o líder do PT, Carlos Zarattini (SP), fez ataques ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o acusou de “botar fogo” no País. O petista estendeu os ataques ao relator da reforma trabalhista, Rogério Marinho (PSDB-RN), e disse que seu parecer “é super jabuti” plantado pelo relator.

O deputado afirmou que todas as entidades se manifestaram contra o projeto. As críticas também se voltaram contra o Ministério Público Federal. “Nós nessa Casa não somos o que os procuradores dizem que somos”. Zarattini fez um apelo para que a votação fosse suspensa e que os líderes tomassem uma decisão conjunta. “PT não foge à responsabilidade de discutir cada tema dessa Casa”, afirmou.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon