Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Governo dos EUA detalha plano para aumentar arrecadação de impostos

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 08/04/2021 Beatriz Roscoe
Sede do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos em Washington D.C. © WikimediaCommons Sede do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos em Washington D.C.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos detalhou nesta 4ª feira (7.abr.2021) o “Made in America Tax Plan”, plano que busca elevar a arrecadação norte-americana de impostos em US$ 2,5 trilhões nos próximos 15 anos. Leia a íntegra, em inglês (580 KB).

O intuito é financiar o plano de infraestrutura do governo, que visa a criação de postos de trabalho e o estímulo à economia verde. O plano de arrecadação envolve o aumento do imposto para pessoas jurídicas, o incentivo a adoção de um imposto corporativo mínimo global, a eliminação de incentivos para empresas de combustíveis fósseis, entre outras propostas.

Receba a newsletter do Poder360

De acordo com o documento, o atual regime de imposto de renda corporativo contém incentivos para que as empresas transfiram a produção e lucros para o exterior. “O declínio das receitas de impostos corporativos atrapalham a capacidade dos Estados Unidos de financiar investimentos em infraestrutura, pesquisa, tecnologia e energia verde”, diz o plano.

O governo afirma que o plano pretende “reorientar a tributação das empresas para reverter esse legado”. Eis as medidas propostas:

  • aumento da alíquota do imposto de renda para pessoa jurídica de 21% para 28%;
  • imposto mínimo de 15% sobre o lucro contábil de grandes empresas que relatam lucros elevados, mas têm pouco lucro tributável;
  • fortalecimento do imposto mínimo global para empresas multinacionais dos EUA;
  • redução dos incentivos para que as jurisdições estrangeiras mantenham taxas de imposto corporativas “ultrabaixas”, e encorajando a adoção global de impostos mínimos;
  • incentivo à adoção de um imposto mínimo global para empresas multinacionais;
  • substituição de incentivos falhos que recompensam o excesso de lucros de ativos intangíveis por incentivos “mais generosos” para novas pesquisas e desenvolvimento;
  • substituição dos subsídios aos combustíveis fósseis por incentivos à produção de energia limpa;
  • aumento da fiscalização de evasão fiscal corporativa.

IMPOSTO MÍNIMO GLOBAL

No começo desta semana, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, anunciou que irá trabalhar com os países do G20 para implementar um imposto corporativo mínimo global para as multinacionais.

“Competitividade é mais do que como as empresas sediadas nos EUA se saem contra outras empresas em propostas globais de fusão e aquisição”, disse Yellen. “Trata-se de garantir que os governos tenham sistemas tributários estáveis ​​que gerem receita suficiente para investir em bens públicos essenciais”.

Ela afirmou ainda que é importante trabalhar com outros países para acabar com as pressões da competição tributária e a erosão da base tributária das empresas.

DESINCENTIVO AOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

De acordo com o plano, o atual código tributário norte-americano contribui para a mudança climática ao fornecer importantes preferências fiscais e subsídios para a indústria de petróleo e gás.

“O plano tributário do presidente removeria subsídios para empresas de combustíveis fósseis, ao mesmo tempo que proporcionaria incentivos para reposicionar os Estados Unidos um líder global em energia limpa”, diz o documento.

O departamento do Tesouro estima que a eliminação de subsídios para empresas de combustíveis fósseis aumentaria as receitas fiscais do governo em mais de US$ 35 bilhões na próxima década.

O plano não especificou quais incentivos fiscais para empresas de combustíveis fósseis seriam visados, mas afirmou que principal impacto seria nos lucros das empresas de petróleo e gás.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon