Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Greve não afeta produção da Petrobras, diz Castello Branco

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 2 dias atrás Da Redação
Roberto Castello Branco: © Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Roberto Castello Branco:

São Paulo – O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, negou que a paralisação de funcionários da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados (Ansa), subsidiária da companhia, esteja afetando a produção da estatal. Ao contrário. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Castello Branco afirmou que “nenhum barril de petróleo deixou de ser produzido nem refinado”.

A greve entrou no 14º dia nesta sexta-feira. E a situação deve piorar ainda mais, pois está marcado para hoje o início das dispensas. Entre as demissões, estão cerca de 400 funcionários diretos da Ansa e 600 terceirizados.

Castello Branco também afirmou que o quadro dificilmente será alterado. Segundo ele, a Ansa é uma fábrica de fertilizantes “que dá um prejuízo imenso porque a matéria-prima é mais cara do que o produto final”.

“Este ano ia dar um prejuízo de R$ 400 milhões. E é um reloginho suíço: desde 2013, quando foi comprada, todo ano dá prejuízo. Não podemos ficar com um negócio desses”, diz o executivo.

Desde o início de sua gestão, no início do ano passado, Roberto Castello Branco já vendeu 16,3 bilhões de dólares em ativos e passou a priorizar atividades que dão mais retorno para a companhia. Entre os ativos vendidos estão a Transportadora Associada de Gás (TAG), que foi arrematada pelo grupo francês Engie, e a capitlização da rede de postos BR Distribuidora.

Entenda o caso

Ao final da quinta-feira, 13, 113 unidades da Petrobras encontravam-se com manifestações em 13 estados do país, com mais de 20.000 petroleiros mobilizados. Segundo a FUP, são 53 plataformas, 23 terminais, 11 refinarias, 23 outras unidades operacionais e 3 bases administrativas em estado de greve.

Na quarta-feira, 12, o Supremo Tribunal Federal determinou que seja cumprida a decisão do Tribunal Superior do Trabalho de manutenção do contingente de 90% dos trabalhadores durante a greve e reconheceu a legitimidade de aplicação de multa, desconto de dias parados e “outras medidas de caráter coercitivo” necessárias ao restabelecimento das atividades essenciais, segundo o STF.

Em nota, a Petrobras informa que “os resultados da Ansa, historicamente, demonstram a falta de sustentabilidade do negócio” e que, de janeiro a setembro de 2019, a unidade gerou prejuízo de quase 250 milhões de reais. A companhia acrescenta que, além das verbas rescisórias legais, as demissões devem envolver um pacote que inclui, entre outros itens, um valor adicional entre 50 mil e 200 mil reais.

As paralisações, que podem afetar a produção da Petrobras no trimestre, ocorrem em meio a um ambicioso programa de venda de ativos “non core” (não essenciais) da companhia. É o Brasil real mais uma vez se impondo ante os planos de reforma da máquina pública.

_________________________

Vídeo: Startups estão focando nos homens e seus espermas (zoomin.tv)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon