Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Itaúsa quer expandir presença internacional da Havaianas

Logotipo do(a) Forbes Brasil Forbes Brasil 14/07/2017 Redação, com Reuters
iStock © Fornecido por Forbes Brasil iStock

A holding de investimentos Itaúsa pretende expandir a presença internacional da Havaianas, ampliando o alcance da marca nos Estados Unidos, enquanto segue mantendo foco em diversificação de sua carteira de ativos.

LEIA MAIS: Irmãos Batista vendem Alpargatas por R$ 3,5 bilhões às famílias controladoras do Itaú

A companhia acertou nesta semana com o grupo Cambuhy a compra de toda a participação da J&F na Alpargatas, dona da Havaianas, em negócio de R$ 3,5 bilhões.

Itaúsa planeja, ainda, comprar as ações restantes dos minoritários da Havaianas, o que provocará um desembolso de cerca de R$ 300 milhões

“Temos interesse sim em continuar algum tipo de diversificação, mas a ideia é que temos um ativo muito bom que são as ações do Itaú Unibanco. A ideia continua sendo diversificação e uma pequena revisão do nosso portfólio”, disse o presidente da Itaúsa, Alfredo Setubal, em teleconferência com investidores e analistas.

Ele acrescentou, porém, que após as compras neste ano das participações na Alpargatas e na empresa de gasoduto Nova Transportadora do Sudeste (NTS), a Itaúsa não está negociando mais nenhum ativo e que pretende que o Itaú Unibanco continue representando cerca de 90% de seus investimentos.

Às 13h20, as ações da Itaúsa exibiam desvalorização de 0,43%, enquanto o Ibovespa tinha alta de 0,3%. Os papéis da Alpargatas subiam 4%.

Setubal afirmou que a Itaúsa pretende comprar as ações restantes dos minoritários da fabricante de calçados, pagando 80% do valor proposto a J&F. Se todos os acionistas minoritários aceitarem a oferta, o desembolso extra dos compradores da Alpargatas será de cerca de R$ 300 milhões.

VEJA TAMBÉM: Itaú Unibanco compra 49,9% de participação na XP Investimentos

A Itaúsa não pretende alterar a estrutura de capital da Alpargatas, disse Setubal.

Questionado sobre qual foi a avaliação das ameaças de risco em torno da aquisição da Alpargatas, Setubal citou “eventuais ameaças que possam advir da leniência e colaboração dos antigos controladores”, mas não deu detalhes.

A J&F, controlada pela família dos empresários Joesley e Wesley Batista, firmou em maio acordo de leniência com o Ministério Público Federal, com pagamento de multa de R$ 10,3 bilhões por atos praticados por empresas da holding.

A aquisição da Alpargatas marca a entrada da Itaúsa no segmento de varejo. A calçadista, fundada em 1907, tem atualmente mais de 700 lojas no Brasil e no exterior e marcas que incluem, além da Havaianas, Topper, Dupé e Osklen.

“É uma aquisição importante para a Itaúsa. É uma marca muito forte, de muita tradição. Estamos bastante animados e vemos muitas oportunidades de expansão de marca e mercados”, disse Setubal sem dar detalhes sobre como será a expansão da Alpargatas. Segundo ele, o crescimento da presença internacional da Havaianas deve ajudar a ocupar mais a capacidade de produção das quatro fábricas brasileiras que produzem para a marca, contribuindo para a redução dos custos fixos mais adiante.

O presidente da Itaúsa afirmou que a holding não deverá alterar sua política de distribuição de dividendos e que avalia como exagerado o desconto de quase 28% atribuído pelo mercado às ações da Itaúsa, algo que tem incentivado a empresa a fazer recompras de papéis.

Mais de Forbes Brasil

image beaconimage beaconimage beacon