Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Juros de cartões de loja podem chegar a 875% ao ano

Logotipo do(a) Estadão Estadão 16/04/2018
Dinheiro 'descomplicado': O limite do cartão de crédito é pré-aprovado. É errado usar esse valor como uma extensão da renda. © Thiago Teixeira/Estadão O limite do cartão de crédito é pré-aprovado. É errado usar esse valor como uma extensão da renda.

Em pesquisa com 37 cartões de marca própria, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, a Proteste, constatou que os juros cobrados podem sair extremamente caros. Com taxas de 875,25% ao ano, os cartões das redes Riachuelo e Sonda apresentaram os maiores juros do levantamento.

+ Lojas Renner vai reduzir taxas de juros em cartões a partir de novembro

Para a Proteste, é possível aproveitar esses tipos de cartões para descontos e promoções específicas. Mas é recomendável evitar pagar anuidades ou assegurar que o uso que fazem compensa o custo. A entidade também aconselha evitar utilizar o crédito desses cartões, especialmente os mais caros.

Também conhecidos como private label, esses cartões servem para comprar na loja que os fornecem, e são populares pela possibilidade de adiar o pagamento em até 40 dias, em média.

A anuidade dos cartões também foi um fator avaliado pela associação. Os únicos cartões avaliados que realmente não têm anuidade, são os da Riachuelo, Renner (ambos para os cartões que só permitem comprar na própria loja), Petrobras e Saraiva (estes são cobranded, emitidos por uma instituição financeira em parceria com o estabelecimento comercial).

+ DMCard, de cartões private label, atinge marca de dois milhões de emissões

O estudo mostrou que, na maioria das vezes, a taxa de anuidade é cobrada dos consumidores conforme seu uso. Por exemplo, o "Meu Cartão", da Renner, cobra R$ 118. O Shell, operado pelo Santander, tem anuidade isenta só nos três primeiros meses, depois o valor é alterado de acordo com o gasto efetuado nas faturas.


Siga o MSN no Facebook


Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon