Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Mercado já discute mudança de comando na JBS

Logotipo do(a) Estadão Estadão 13/09/2017 Camila Turtelli

O comando da JBS, que já estava abalado por um pedido feito pelo BNDES de afastamento da família Batista, está agora ainda mais envolto em especulações com a prisão preventiva de Wesley Batista, que comanda a empresa desde 2011. A empresa ainda não havia se pronunciado sobre qualquer alteração em seu cargo administrativo até o final da manhã desta quarta-feira e disse que não vai comentar o assunto. A medida cautelar em relação ao empresário não implica diretamente em seu afastamento da função e ele pode ainda permanecer no cargo. No entanto, o mercado já especula o que pode acontecer com a principal cadeira da maior empresa de carnes do mundo nos próximos dias.

Leia mais: Saiba quem é Wesley Batista, um dos donos da JBS

Presidente da JBS, Wesley Batista: O presidente da JBS, Wesley Batista © Werther Santana/Estadão O presidente da JBS, Wesley Batista

+ Controladores da JBS fizeram venda milionária de ações antes de delação

Uma das possibilidades levantadas seria o repeteco do que aconteceu em setembro do ano passado, quando Wesley deixou a presidência por poucos dias, após a determinação da Justiça Federal que o afastou e também a seu irmão Joesley do comando de quaisquer empresas, na sequência da Operação Greenfield. Naquele afastamento, quem assumiu a presidência foi José Batista Júnior, conhecido no mercado como Júnior Friboi, irmão mais velho de Wesley e Joesley. No entanto, fontes afirmam que essa é uma opção mais remota, para não envolver ainda mais o nome da família.

+ O irmão de Joesley e Wesley que resistiu à tormenta

Uma outra aposta é a promoção de Gilberto Tomazoni, que ocupa hoje a função de presidente global de operações da JBS. Tomazoni tem passagem pela BRF, Bunge e pela própria americana Pilgrim's Pride, controlada pela JBS. Ele é um executivo de confiança da família Batista e já foi indicado como CEO da JBS Food International.

O nome de Gilberto Xandó também é citado nesta manhã. Xandó era diretor presidente da Vigor e foi nomeado em junho para o conselho de administração da JBS, no lugar de Joesley Batista. Ele já passou por Natura e Sadia.

+ Prisão de Wesley Batista por insider trading é inédita

A JBS enviou comunicado ao mercado confirmando a prisão de seu presidente, Wesley Batista, sem mais detalhes. De acordo com o fato relevante, a empresa tomou conhecimento da detenção do executivo, mas "ainda não teve acesso à integra dessa decisão e manterá seus acionistas e o mercado devidamente informados acerca de tal tema". O advogado do empresário Pierpaolo Bottini disse que é "injusta, absurda e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos".

A prisão de Wesley provoca um abalo na JBS em um momento delicado para companhia. Era ele quem vinha gerenciando o plano de desinvestimento, com a venda de ativos como a Vigor e a Moy Park. Seu trabalho é elogiado entre os executivos da empresa.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon