Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Retomada da economia está ocorrendo em formato de “V”, diz Campos Neto

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 02/07/2020 Hamilton Ferrari
O presidente do Banco Central, Campos Neto, no programa Poder em Foco, em abril de 2020 © Sérgio Lima/Poder360 O presidente do Banco Central, Campos Neto, no programa Poder em Foco, em abril de 2020

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse nesta 5ª feira (2.jul.2020) que parece que a retomada da economia global e do Brasil está sendo em formato em “V”, em representação de uma queda forte seguida de recuperação rápida.

Ele participou do evento virtual do jornal Correio Braziliense “O papel do sistema financeiro na retomada da economia”. De acordo com ele, as duas últimas semanas de abril foram as piores para a economia brasileira. A retomada teve início no começo de maio.

“A parte de dados em tempo real, que é importante olhar, a gente começa a ver uma melhora mais rápida em junho. Então energia, tráfego, arrecadação, volume de TED, tudo isso a gente consegue ver uma melhora já em junho”, afirmou.

“Parece que nós começamos o retorno em formato de ‘V’. E agora tem uma fixação muito grande de qual vai ser a letra do formato da recuperação. A gente consegue ver, num 1º momento, que a queda em relação a 2008 foi muito mais rápida, mas que a volta também está muito mais rápida”, declarou Campos Neto.

O presidente do BC fez comparações com outros países. Citou a China como 1 exemplo de país que teve retorno às atividades de forma mais rápida e justificou que a mudança para a crise de 2008 se deve a duas questões: a intensidade de medidas que os Bancos Centrais e os governos de todo o mundo fizeram juntos, garantindo maior estímulos fiscais e monetários, e a continuidade da intermediação financeira.

Em 2008, os bancos sofreram com a crise financeira, o que afetou a intermediação. Em 2020, não houve impactos tão elevados no sistema financeiro.

Ao comentar o contexto global, o presidente do BC disse que houve piora dos parâmetros de risco no mundo e as economias emergentes foram as mais prejudicadas. 

De acordo com Campos Neto, a fragilidade das contas públicas e a fuga de recursos dos emergentes, incluindo o Brasil, justificam a diferença de cenários com o grupo de países desenvolvidos.

O fluxo de saída de recursos dos emergentes é maior do que era em 2008, segundo ele. No Brasil, os investidores retiraram R$ 76,5 bilhões do Ibovespa no 1º semestre de 2020. A saída representa recorde desde 2004, segundo a B3.

Os países emergentes também tiveram que ampliar os gastos públicos para combater os efeitos da covid-19. Segundo Campos Neto, os estímulos são bons, mas há 1 “ponto de inflexão” de que o remédio passa por “fragilidade fiscal”.

DISTANCIAMENTO SOCIAL

Ao tratar sobre as medidas de isolamento social, Campos Neto afirmou que não houve queda tão brusca no fluxo de pessoas nos países a ponto de fazer “grande diferença”.

“Independente de ter 1 distanciamento, a intensidade da queda no tráfico de pessoas não é tão grande. A gente está dizendo basicamente que quando teve o lockdown você teve na média um isolamento de 55%, 60% e quando não teve em lugares que teve 45% e 50%. Basicamente, ao contrário do que a gente lê muito, e, lógico, alguns países fogem essa regra, o intervalo é de 10%, 12%, 13% de mobilidade. Não é isso que faz tanta diferença”, argumentou.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon