Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Só reforma da Previdência não eleva nota de investimento, alerta Fitch

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 4 dias atrás Reuters
Segundo agência, Previdência é 'mãe das reformas' mas sozinha não é suficiente para estabilizar o cenário econômico do Brasil © Justine Lane/EFE/VEJA Segundo agência, Previdência é 'mãe das reformas' mas sozinha não é suficiente para estabilizar o cenário econômico do Brasil

A reforma da Previdência é decisiva para o equilíbrio fiscal brasileiro mas não é suficiente para estabilizar o endividamento ou levar a uma revisão de nota positiva do país, alertou nesta quinta-feira, 16, o diretor-executivo da agência de classificação Fitch Ratings no Brasil, Rafael Guedes.

“Falamos que a reforma previdenciária é a mais importante, é a mãe das reformas, mas de maneira nenhuma é suficiente para levar o Brasil a um patamar de estabilização do seu endividamento ou até mesmo a uma revisão de rating positiva”, disse ele durante evento da Fitch em São Paulo.

“A reforma previdenciária é extremamente importante, mas temos que fazer mais reformas. Ela é somente o começo de uma agenda que tem que ser perseguida, seja por esse ou qualquer governo”, completou.

A última ação de rating da agência para o Brasil foi em 1º de agosto de 2018, quando reafirmou a nota atribuída ao Brasil em “BB-“, com perspectiva estável. Com essa nota, o país está três degraus abaixo da faixa chamada de grau de investimento, considerada de baixo risco.

Para a diretora sênior do Grupo Soberano da Fitch para América Latina, Shelly Shetty, incertezas e divisões no Congresso são obstáculos em um momento delicado para a economia do país. “Dados recentes mostram que o crescimento do Brasil não decolou, e o principal risco para o desempenho econômico é a decepção com agenda de reformas”, disse ela em vídeo mostrado durante o evento.

“A agenda de reformas é positiva, mas incertezas sobre o momento e a fragmentação do Congresso são obstáculos”, completou. Shelly ainda destacou que o Brasil passa por recuperação moderada em um contexto de forte recessão, e que a expectativa da agência é de expansão abaixo de 2% neste ano.

Indicadores em queda

As projeções de crescimento para o Brasil vêm sofrendo sucessivas reduções. A mais recente pesquisa Focus realizada semanalmente pelo BC junto a uma centena de economistas mostrou que a estimativa para a atividade neste ano é de crescimento de 1,45 por cento, mas alguns analistas já veem uma taxa abaixo de 1%.

O ministro da Economia, Paulo Guedes afirmou em audiência pública na comissão mista de Orçamento do Congresso Nacional que a projeção de crescimento do governo para a economia neste ano caiu para 1,5%. Antes, o governo chegou a trabalhar com 2,7% de crescimento da economia em 2019.

Vídeo: Educação: entenda o orçamento das universidades (Estadão)

A SEGUIR
A SEGUIR

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon