Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Sociólogo abre loja de orgânicos com ‘preço justo’ em São Paulo

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 11/08/2017 Mariana Desidério
Loja no centro vende orgânicos com “preço justo”: Loja no centro vende orgânicos com "preço justo" © Divulgação Loja no centro vende orgânicos com "preço justo"

São Paulo – Um pé de alface orgânico custa em média R$ 5,99 nos supermercados de São Paulo. Nas feiras especializadas, sai por R$ 5,75. Mas na recém-inaugurada Orgânicos 35%, que fica no centro da cidade, o item custa R$ 2,98 – metade do preço.

Idealizado pelo sociólogo Rafi Boudjikian e pela antropóloga Beth Quintino, o negócio – que fica na Vila Buarque, região central de São Paulo – segue os preceitos do comércio justo e tem os mandamentos deste conceito gravados na parede. Dentre eles, preço justo. Como o próprio nome da loja já diz, a margem ali é de 35%.

“Criamos um modelo espartano, com quadro de funcionário e horário de funcionamento reduzidos, para conseguir manter a margem nesse patamar, bem abaixo do praticado pelos supermercados, por exemplo”, afirma Boudjikian.

O empreendedor já tem 15 anos de experiência no mercado de orgânicos, através de outro negócio: o Site de Orgânicos, que faz delivery de alimentos do tipo. A vontade de ter uma loja física já existe há dez anos e só agora saiu do papel.

“Percebemos que o mercado estava pedindo mais opções para comprar orgânicos com um bom preço”, avalia Quintino, sua sócia.

Preço justo

Mas isso quer dizer que o alimento orgânico não precisa ser tão caro? Na visão dos empreendedores, não. “Os supermercados entendem que o orgânico é um produto premium e aumentam sua margem de lucro em cima dele”, diz Boudjikian.

A proposta da Orgânicos 35% é exatamente oposta. “É uma visão de vida, que vem da nossa formação acadêmica e está ligada à solidariedade e à parceria, tanto com o produtor quanto com o cliente”, afirma Quintino.

Mas não se engane: a loja não é uma ONG e visa, sim, o lucro. Os empreendedores investiram cerca de 100 mil reais para montar o negócio. No primeiro mês de funcionamento, venderam um total de 40 mil reais em produtos, número que tem aumentado em cerca de 20% a cada mês. A expectativa é que a partir dos sexto mês os sócios já consigam extrair um pró-labore “razoável” para si próprios.

Para conseguir se manter com uma margem apertada com esta, a loja funciona apenas das 8h30 às 14h e tem só dois funcionários, além dos próprios sócios. Outro ponto é o cuidado na hora de comprar com os fornecedores. “Não tenho muito espaço para armazenamento e também não posso deixar sobrar, então muitas vezes seleciono cada unidade de um produto. A maçã, por exemplo, estava ruim nos últimos tempos, então comecei a selecionar uma a uma”, conta o empreendedor.

Outra estratégia é optar por não ter alguns itens na loja. “Se compro almeirão e percebo que sempre sobra, opto por não ter”.

Transparência

Outro pilar do comércio justo seguido pelos sócios é a transparência. Nas gôndolas, é possível ver quem foi o produtor que forneceu aquele item. E também há diferença de preço para o comprador se houver mais de um fornecedor com preços diferentes. Na quarta-feira, por exemplo, era possível comprar abobrinha orgânica a R$ 9,88 o quilo na opção a granel, ou a 14,76 o quilo na bandeijinha de isopor.

Há ainda uma tabela de comparação de preços no meio da loja, mostrando quanto custam alguns itens na Orgânicos 35%, no Site de Orgânicos (que é dos mesmos donos, mas tem preços mais altos), nas feririnhas de orgânicos da cidade ou no supermercado.

Para dar conta do modelo, porém, os empreendedores precisam trabalhar e muito. “Acordo às 5 da manhã para receber dos fornedores”, conta Boudjikian. Os produtos da Orgânicos 35% vêm principalmente do interior de São Paulo, Minas Gerais e do Sul do país.

Sucesso de público

A boa notícia é que o modelo tem dado certo. “O número de pessoas que nos procura está crescendo, e o ticket [quanto cada comprador gasta] também. Nosso público é composto principalmente por pessoas que vivem na região, mas temos cerca de 20% que vêm de longe para cá. Gente que vem toda semana do Carrão, de São Bernardo. Isso é muito legal”, conta Boudjikian.

“Com isso vemos como a cidade ainda está carente de lugares que vendam orgânicos com um preço justo”, completa Quintino. O marco deste movimento, segundo os empreendedores foi o surgimento do Instituto Chão, na Vila Madalena, que funciona sem margem de lucro e pede doações de seus clientes para manter o espaço.

Uma surpresa positiva para os empreendedores é ver que os clientes mais idosos têm procurado bastante o espaço. “O público jovem é mais aberto para essas novidades, os mais velhos já têm alguns hábitos. Mas temos visto muitas senhoras por aqui. E ouvimos frases do tipo: ‘melhor comer comida saudável do que gastar em remédios’, o que nos deixa felizes”, comemora Boudjikian.

Com o sucesso dos primeiros meses da loja – mesmo num momento de crise econômica – os empreendedores já consideram abrir outras unidades. A intenção é a que a próxima loja seja maior, com mais espaço para exposição de produtos e armazenamento. Uma coisa, porém, continuará a mesma: margem de lucro de 35%.

Arquivado em: PME

Vídeo: Documentos de quem não paga dívidas podem ser bloqueados (Via SBT)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon