Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Vai uma pipoca? Cinemark aceitará pagamento por QR Code do Mercado Livre

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 09/11/2019 Carol Oliveira
Mercado Pago no Cinemark: opção chegará a todas as salas da rede no Brasil até o fim de novembro © Mercado Pago/Divulgação Mercado Pago no Cinemark: opção chegará a todas as salas da rede no Brasil até o fim de novembro

A partir de agora, vai ser possível comprar de petiscos a ingresso no cinema sem ter cartão ou dinheiro físico. A rede de cinemas Cinemark passou a aceitar pagamento por meio do código QR do Mercado Pago, braço financeiro da plataforma de comércio eletrônico Mercado Livre.

O serviço começa a valer já neste fim de semana nas salas do Cinemark, conforme anunciado em primeira mão a EXAME. Por ora, a parceria funciona somente na capital paulista, mas a opção chegará a todas as 86 unidades do Cinemark no Brasil até o fim de novembro.

O QR Code, ou quick response code (código de resposta rápida, em português), é como um leitor de código de barras. O código pode ser lido por qualquer celular com câmera e conexão à internet, mas, para efetuar pagamentos, é preciso ter cadastro em uma carteira digital.

No caso do Cinemark, para pagar com QR Code, será preciso ter conta na carteira digital Mercado Pago. Como o nome diz, a carteira digital é uma espécie de extensão da carteira física e acumula um saldo recarregável pelo usuário: a conta pode ser vinculada a um cartão de crédito (e, portanto, o pagamento no cinema será adicionado normalmente à fatura do cartão), ou o usuário pode escolher fazer uma transferência para sua conta no Mercado Pago e usar esse saldo para o ingresso no cinema.

Os pagamentos no Cinemark poderão ser feitos tanto nas opções de autoatendimento (que outrora só funcionavam com cartão) quanto nas bilheterias e compra de alimentos.

Assim como acontece em outros estabelecimentos que possuem QR Code do Mercado Pago, os clientes podem ter a possibilidade, a depender das condições, de ganhar descontos de até 10 reais na compra ao pagar com a carteira digital.

Uma vez apontada a câmera do Mercado Pago para o código, a transação é realizada em poucos segundos e sem taxas para o usuário — motivo pelo qual o QR Code foi batizado pelos órgãos reguladores como “pagamento instantâneo”.

Autoatendimento no Cinemark: será possível pagar por QR Code tanto no totem quanto na bilheteria, sem a necessidade de cartão ou dinheiro © Mercado Livre/Divulgação Autoatendimento no Cinemark: será possível pagar por QR Code tanto no totem quanto na bilheteria, sem a necessidade de cartão ou dinheiro

QR Code em todo lugar

A parceria entre Cinemark e Mercado Pago representa o primeiro movimento de uma carteira digital oferecendo pagamento via QR Code no setor de cinemas.

O grosso da integração com código QR, por ora, está no ramo de alimentação, com uma das principais concorrentes no segmento de pagamentos por QR Code sendo a Movile Pay, carteira digital integrada ao iFood, de delivery de refeições. Além dos mais de 10.000 restaurantes que aceitam pagamento por QR Code, o iFood expandiu a opção para bancas de jornal nos últimos meses, e planeja chegar a 10.000 bancas.

A parceria com o Cinemark vem em um momento em que o Mercado Livre tenta fazer engrenar sua carteira digital no Brasil. Como a empresa argentina está presente majoritariamente no varejo digital, a aposta no QR Code é uma via para aumentar também os pagamentos nas lojas físicas e ir além das transações no marketplace do Mercado Livre.

O QR Code do Mercado Pago é aceito hoje em 1,5 milhão de estabelecimentos no Brasil, segundo o Mercado Livre. A empresa reforça que a parceria com o Cinemark não é sua primeira fora do setor de alimentação, com o QR Code da marca já sendo oferecido também nas redes de farmácias Droga Raia e Drogasil (que desde 2011 são do mesmo grupo), na ótica GrandVision by Fotótica e no frigorífico Swift. Outro entre os principais parceiros da carteira digital do Mercado Livre é a rede de fast food McDonald’s.

Na semana passada, a empresa anunciou também uma parceria para que seus clientes possam pagar com QR Code do Mercado Pago nas maquininhas da Cielo.

“Estamos expandindo a operação com código QR e a integração com grandes varejistas de todos os setores para melhorar a experiência de compra e venda no ambiente físico”, disse em resposta por e-mail a EXAME o vice-presidente do Mercado Pago, Tulio Oliveira.

Levar o QR Code para além do setor de alimentação será um passo importante para que as fintechs naturalizem esse meio de pagamento entre os clientes e aumentem as transações em suas carteiras digitais.

A carteira digital do Mercado Pago tem mais de 6 milhões de usuários ativos nos países em que opera, como Brasil, Argentina e México. No terceiro trimestre deste ano, entre julho e setembro, foram quase 1 bilhão de dólares em transações na carteira, segundo resultado financeiro divulgado na semana passada. A empresa não revela quanto desse montante veio dos pagamentos com QR Code ou quantos usam a tecnologia no Brasil.

A estratégia com os pagamentos QR já está mais consolidada na Argentina, terra natal do Mercado Livre. Por lá, metade do montante transacionado na carteira digital veio dos pagamentos com o código — a carteira digital pode ser usada também para carregar bilhete único, pagar boletos ou para comprar ou vender mercadorias no Mercado Livre.

Na Argentina, a empresa fechou setembro com 1 milhão de pontos que aceitam pagamento por QR Code e 2 milhões de pagadores que usam esse formato.

Pagamento por QR Code do Alipay: fintech chinesa registra 230 milhões de usuários ativos diariamente. Nas regiões da China, formato é usado massivamente © Edmond So/South China Morning Post/Getty Images Pagamento por QR Code do Alipay: fintech chinesa registra 230 milhões de usuários ativos diariamente. Nas regiões da China, formato é usado massivamente

Códigos que não se conversam

Mercado Livre e iFood são as principais empresas com pequenas placas físicas de QR Code para pagamento, mas carteiras digitais e fintechs também vêm fazendo parcerias para expandir as possibilidades da ferramenta.

Além da Cielo, que tem parceria com o Mercado Livre e nomes como PicPay e banQi (da Via Varejo) para o QR Code de suas maquininhas, adquirentes concorrentes como GetNet (do Santander), Stone e PagSeguro também vêm oferecendo essa opção.

Para incentivar o uso do código QR — e, por consequência, aumentar o valor transacionado em suas carteiras digitais –, as fintechs vêm oferecendo descontos, cupons e programas de pontos.

O Mercado Pago estreou seus totens de QR Code no Brasil neste ano com descontos que vão de 5 a 15 reais para quem pagar com sua carteira digital em alguns dos estabelecimentos parceiros. Pelo lado dos lojistas, o dinheiro das vendas é disponibilizado em menos de um dia e não haverá cobrança de taxa pelas transações realizadas até o fim deste ano, como forma de incentivar a adesão à tecnologia.

Um estudo deste ano da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), que ouviu 500 pessoas de diferentes idades, rendas e regiões do país, apontou que o uso do QR Code para pagamento em lojas físicas foi de zero para 17% entre 2017 e 2018. Ainda assim, os campeões seguem sendo dinheiro (68% dos usuários usam o papel para pagamentos em lojas físicas), cartão de crédito parcelado (62%), crédito à vista (59%) e débito (54%). Os pagamentos por aplicativo (como Samsung Pay e Apple Pay) em lojas físicas também cresceram, de 4% para 24%. 

Ainda falta muito para que o QR Code seja uma realidade nacional. Um desafio para a expansão dos pagamentos nessa formato é a baixa padronização. Embora o código seja universal, tal como o código de barras, as carteiras de diferentes empresas ainda não se conversam. Se um restaurante possuir um totem do Mercado Pago, ainda não é possível pagar com a carteira de um concorrente, e vice-versa.

O Banco Central está liderando um grupo que discute, entre outras mudanças financeiras, a integração entre essas formas de pagamento, mas mudanças práticas na padronização só devem começar a partir do ano que vem.

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon