Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Preferimos perder dinheiro a ouvir a opinião alheia

Logotipo do(a) Superinteressante Superinteressante 10/06/2017 Ana Carolina Leonardi

“Nem que me pagassem eu assistiria a mais um discurso desse idiota”. Independente de ser conservador ou progressista, você já deve ter pensado isso sobre uma figura pública que discorda de você – ou até sobre um amigo no Facebook dado a textões ideológicos opostos à sua opinião. 

Tentando entender melhor essa ideia, pesquisadores da Universidade de Winnipeg, no Canadá, e de Illinois, nos EUA, decidiram pagar, literalmente, para que participantes entrassem em contato com a opinião dos seus adversários políticos.

Eles começaram a pesquisa com um tema internacionalmente polêmico: o casamento homossexual. Eles entrevistaram 202 pessoas com diferentes opiniões sobre o assunto. Durante o experimento, explicavam que os participantes estavam concorrendo a prêmios de US$ 10. Mas para participar, era preciso ler e responder perguntas sobre um texto opinativo.

Para os entrevistados que defendiam o casamento igualitário, era apresentado o texto “8 argumentos para não legalizar a união entre homossexuais”.  Já quem condenava a prática deveria ler “8 argumentos para legalizar o casamento homossexual”.

Havia uma segunda opção: eles poderiam substituir o texto por um que compartilhasse de suas próprias opiniões. Só que aí o sorteio valeria apenas US$ 7.

politica-gif © image/jpeg politica-gif

Dois terços dos participantes (127 deles, ou 63%) preferiram evitar os argumentos adversários, mesmo perdendo dinheiro. Em outro experimento, os pesquisadores confirmaram que o mesmo comportamento aparece quando se discute outros temas polêmicos, como aborto, posse de armas e legalização da maconha. Em todos eles, a maioria das pessoas preferia não sair da sua bolha ideológica.

“As pessoas preferem consumir informação conveniente porque assim elas se sentem melhor. E porque permite que elas dividam o mesmo ‘senso de realidade’ com seus partidários”, explica Jeremy Frimer, autor principal do estudo.

Por último, os pesquisadores investigaram a motivação por trás desse comportamento. Os participantes afirmaram que ouvir o “outro lado” não só exige esforço, mas também causa frustração. O sentimento que eles descrevem tem nome oficial: dissonância cognitiva, uma teoria segundo a qual os seres humanos têm propensão natural a evitar conflitos psicológicos baseados em crenças incompatíveis ou mutuamente excludentes – mesmo que isso exija ter atitudes um tanto irracionais.

O mais curioso da pesquisa, porém, foi encontrar a mesma proporção de atitudes evitativas entre progressistas e conservadores. Ou seja, todos são igualmente avestruzes – e afundam a cabeça na terra para tentar esquecer que a opinião alheia existe.


TORNE SUA EMPRESA MAIS PRODUTIVA COM OFFICE 365

Tenha Word, Excel, Power Point e muito mais
- Email corporativo (@suaempresa)
- Instale na máquina ou em até 5 dispositivos móveis por usuário
- OneDrive: 1 TB de armazenamento na Nuvem por usuário
- Videoconferência (Skype for Business)
- Conheça e compre diretamente na loja oficial da Microsoft

Mais de Super

Superinteressante
Superinteressante
image beaconimage beaconimage beacon