Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bancos cobram juros a partir de 1,79% ao mês para antecipar restituição do IR

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 19/03/2019 Marlla Sabino
Pessoas que receberam rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70 em 2018 precisam entregar a declaração do Imposto de Renda © Agência Brasil Pessoas que receberam rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70 em 2018 precisam entregar a declaração do Imposto de Renda

Os pagadores de impostos que já enviaram a declaração de Imposto de Renda 2019 e tem algum valor a receber tem a possibilidade de antecipar o pagamento da restituição com 1 empréstimo no banco.

As grandes instituições financeiras cobram taxas de juros a partir de 1,79% ao mês para liberação do crédito. As taxas variam em cada banco conforme o perfil de risco do cliente e o relacionamento com a instituição.

Os juros cobrados nas linhas para antecipar o pagamento da restituição do imposto são menores do que as taxas praticadas em outras modalidades de crédito para pessoas físicas.

No rotativo do cartão de crédito, por exemplo, o percentual sobe para 11,9% e, no cheque especial, 12,6%.

Por esse motivo, adiantar a restituição pode ser vantajoso para quem tem dívidas com juros mais altos do que os cobrados pelas instituições para adiantar o pagamento, na avaliação do educador financeiro Adriano Severo.

Entretanto, para Severo, a contratação do empréstimo não compensa só para consumo. Para ele, a melhor opção é aguardar o pagamento da restituição, para que o valor seja corrigido pela taxa Selic –atualmente em 6,5% ao ano.

“Quando antecipa o valor, a pessoa acaba recebendo menos por conta dos juros. O ideal é saber como irá gastar o dinheiro e estipular para usar apenas na data do recebimento”, afirmou.

A forma de pagamento do empréstimo também pode ser vista como uma vantagem, já que o valor será debitado em uma única parcela, quando o dinheiro é creditado pela Receita na conta bancária.

Caso haja algum erro na declaração entregue ao Fisco e a pessoa caia na malha fina, porém, o pagamento deverá ser feito, de qualquer maneira, na data limite imposta pela instituição.

Ainda, se for necessário fazer uma correção e alterar a quantia da restituição, o banco irá considerar o valor informado no momento da contratação do crédito.

3,8 milhões já entregaram declaração

Até essa 2ª feira (18.mar), a Receita Federal recebeu 3,8 milhões de declarações. A expectativa é que 30,5 milhões de pagadores de impostos prestem contas ao Fisco até o dia 30 de abril.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon