Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Como os grupos e grifes de luxo estão ajudando no combate à pandemia

Logotipo do(a) Forbes Brasil Forbes Brasil 26/03/2020 Giulianna Iodice
François Pinault, fundador da Kering; Domenico Dolce e Stefano Gabbana e Miuccia Prada: unidos no combate à pandemia François Pinault, fundador da Kering; Domenico Dolce e Stefano Gabbana e Miuccia Prada: unidos no combate à pandemia

A pandemia do novo coronavírus tem colocado o mundo em quarentena e gerado uma série de ações positivas dos maiores conglomerados e grifes independentes de luxo no combate à Covid-19.


LEIA MAIS: LVMH converte fábricas de fragrâncias em instalações de produção de álcool gel

A francesa LVMH puxou a fila, ao anunciar em 16 de março a produção e a distribuição gratuita de álcool em gel para o sistema de saúde público francês. A Kering, principal rival do grupo de luxo da França, anunciou que três de suas marcas (Gucci, Balenciaga e Saint Laurent) também irão utilizar as estruturas de suas fábricas para produzir máscaras e aventais para auxiliar no suprimento de hospitais.

Além dos grupos, outros players do mercado de luxo se mobilizaram com a causa.

Veja na galeria de imagens a seguir oito ações que marcas de luxo tomaram para auxiliar no combate ao novo coronavírus:

LVMH  A primeira boa ação do grupo foi a fabricação de milhares de litros de álcool em gel para o abastecimento dos hospitais públicos de Paris. Para manter a produção, as fábricas que usualmente produzem perfumes, foram adaptadas para a produção do material de higiene. Outra medida recente adotada pelo bilionário Bernard Arnault foi a encomenda de 40 milhões de máscaras de um fabricante chinês para abastecer o sistema de saúde francês.

LVMH A primeira boa ação do grupo foi a fabricação de milhares de litros de álcool em gel para o abastecimento dos hospitais públicos de Paris. Para manter a produção, as fábricas que usualmente produzem perfumes, foram adaptadas para a produção do material de higiene. Outra medida recente adotada pelo bilionário Bernard Arnault foi a encomenda de 40 milhões de máscaras de um fabricante chinês para abastecer o sistema de saúde francês.



Mais de Forbes Brasil

image beaconimage beaconimage beacon