Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Festival de Cannes 2018: Equipe de drama brasileiro faz protesto por demarcação das terras indígenas no evento

Logotipo do(a) Adorocinema Adorocinema 17/05/2018 Renato Furtado

O tapete vermelho da Croisette não se estende apenas para a chegada dos maiores nomes da sétima arte. Frequentemente, o palco principal do Festival de Cannes também se torna um local para realização de protestos - como o da equipe e o elenco de Aquarius contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na edição de 2016 da mostra. E hoje, foi a vez dos realizadores do drama Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, a brasileira Renée Nader Messora e o português João Salaviza, tomarem conta do tapis rouge para demandar a demarcação das terras indígenas - confira no slideshow acima.

O protesto, que também reuniu os atores indígenas que protagonizaram o longa, diz respeito diretamente à temática de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, aprovado pela crítica 4 estrelas do AdoroCinema. A obra explora as tradições do povo Krahô - e suas diferenças em relação à e conflitos diretos com a cultura dos homens brancos - e também retrata as ameaças que os povos indígenas sofrem da parte de políticos e pecuaristas locais. No caso, os craós, que habitam uma região localizada na tríplice fronteira entre Maranhão, Piauí e Tocantins, são constantemente atacados por fazendeiros da área que desejam ampliar seus territórios.

A demarcação dos territórios indígenas, legitimados pela Constituição de 1988, é uma problemática cujo fim não parece estar à vista. Inúmeros governos já se comprometeram a buscar uma solução para os conflitos entre índios e fazendeiros e a delimitar as terras que pertencem aos povos indígenas, mas as promessas ainda não saíram do papel. Infelizmente, as intensas disputas geralmente terminam com o assassinato dos índios, atos de violências que vêm contribuindo para a escalada do indíce da taxa de homicídios de indígenas no Brasil.

Integrante da mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes, Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos ainda não tem previsão de estreia no Brasil. O evento francês, por sua vez, segue com força total até o próximo sábado, dia 19 de maio - continue ligado na cobertura completa e in loco do AdoroCinema!

O tapete vermelho da Croisette não se estende apenas para a chegada dos maiores nomes da sétima arte. Frequentemente, o palco principal do Festival de Cannes também se torna um local para realização de protestos - como o da equipe e o elenco de Aquarius contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na edição de 2016 da mostra. E hoje, foi a vez dos realizadores do drama Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, a brasileira Renée Nader Messora e o português João Salaviza, tomarem conta do tapis rouge para demandar a demarcação das terras indígenas - confira no slideshow acima.O protesto, que também reuniu os atores indígenas que protagonizaram o longa, diz respeito diretamente à temática de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, aprovado pela crítica 4 estrelas do AdoroCinema. A obra explora as tradições do povo Krahô - e suas diferenças em relação à e conflitos diretos com a cultura dos homens brancos - e também retrata as ameaças que os povos indígenas sofrem da parte de políticos e pecuaristas locais. No caso, os craós, que habitam uma região localizada na tríplice fronteira entre Maranhão, Piauí e Tocantins, são constantemente atacados por fazendeiros da área que desejam ampliar seus territórios.A demarcação dos territórios indígenas, legitimados pela Constituição de 1988, é uma problemática cujo fim não parece estar à vista. Inúmeros governos já se comprometeram a buscar uma solução para os conflitos entre índios e fazendeiros e a delimitar as terras que pertencem aos povos indígenas, mas as promessas ainda não saíram do papel. Infelizmente, as intensas disputas geralmente terminam com o assassinato dos índios, atos de violências que vêm contribuindo para a escalada do indíce da taxa de homicídios de indígenas no Brasil.Integrante da mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes, Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos ainda não tem previsão de estreia no Brasil. O evento francês, por sua vez, segue com força total até o próximo sábado, dia 19 de maio - continue ligado na cobertura completa e in loco do AdoroCinema!: Festival de Cannes 2018: Equipe de drama brasileiro faz protesto por demarcação das terras indígenas no evento © AdoroCinema Festival de Cannes 2018: Equipe de drama brasileiro faz protesto por demarcação das terras indígenas no evento

____________________________________________________________________________________


Vídeo: Spike Lee detona Trump no Festival de Cannes (Via Zoomin.TV)

A SEGUIR
A SEGUIR



Siga o MSN no Facebook

Mais de Adorocinema

image beaconimage beaconimage beacon