Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Deyverson derruba protocolo, homenageia pai, se emociona e até canta pagode

Logotipo do(a) ESPN ESPN 17/07/2017 ESPN.com.br

A SEGUIR
A SEGUIR
A apresentação de Deyverson como novo jogador do Palmeiras, nesta segunda-feira, fugiu dos padrões. Com carisma e emoção, o atacante, que pode se vangloriar de já ter marcado gols contra Real Madrid e Barcelona, dessa vez chamou atenção nas palavras. E na cantoria.

Se for contar minha história vou chorar aqui. Não sou nenhum anjinho para falar tadinho, todo mundo já sofreu na vida. É complicado. Deus e meu pai, um cara que...”, disse antes de se emocionar e tomar um pouco de água.

“Ele batalhou por mim, deixava de dar comida em casa para dar dinheiro para eu treinar. Peço a Deus pela vida dele e da minha família. Acordava 4 horas da manhã para fazer teste, bati e voltei, mas nunca desisti. Para mostrar aos outros que pode realizar o sonho .Eu não quero ser melhor do que ninguém, só queria ter meu espaço no futebol. Eu falei de desistir, vender salgado... Isso não é tristeza, é orgulho. Se não ajudasse as pessoas a levar sacola no mercado, não tirasse entulho do portão não estaria aqui. É na dificuldade onde encontramos os guerreiros. Me sinto como se tivesse derrubado um gigante. Sofri bastante para estar aqui."

Posteriormente, Deyverson chamou o pai para ir ao palco, onde ambos, às lágrimas se abraçaram e beijaram e receberam uma salva de palmas; "É o cara que deu a vida por mim... Esse aqui é meu herói, nunca imaginaria chegar nesse patamar. Não pode segurar as lagrimas. Esse cara batalhou por mim. Deus o abençoe. Ele é meu grande herói", declarou o atacante apontando para o pai.

A SEGUIR
A SEGUIR

As lágrimas dariam lugar aos risos no momento final da entrevista coletiva, quando relembrou a aventura como pagodeiro.

 "Depois que passou essa turbulência, vender salgado não deu, vender caldo de cana não deu certo... ‘Uma coisa vai dar, vou virar pagodeiro’. Comecei a tocar pagode, para ganhar um copo de mocotó e guaraná”, declarou Deyverson, que atendeu aos pedidos dos jornalistas e deu uma palhinha.

Palmas novamente para o jogador e fim de uma entrevista coletiva nada convencional.

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de ESPN

image beaconimage beaconimage beacon