Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Em julgamento, STJD mantém São Januário fechado, tira seis mandos do Vasco e multa Flamengo

Logotipo do(a) ESPN ESPN 4 dias atrás ESPN.com.br
Eurico Miranda esteve presente no tribunal para acompanhar o julgamento © Armando Paiva/Agif/Gazeta Press Eurico Miranda esteve presente no tribunal para acompanhar o julgamento

Em julgamento na 1ª Comissão Disciplinar no fim da manhã desta segunda-feira, o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) manteve a liminar que deixa São Januário fechado, tirou seis mandos de campo do Vasco e multou o clube em R$ 60 mil pela briga generalizada no clássico com o Flamengo.

O rubro-negro carioca, por sua vez, foi multado em R$ 5 mil no episódio.

Denunciado triplamente no artigo 213 por desordem, lançamento de objeto no campo e tentativa de invasão, o time cruzmaltino teve a sua casa interditada previamente pelo presidente em exercício do órgão, Paulo César Salomão Filho, após a morte de um torcedor baleado do lado de fora de São Januário, e jogou com portões fechados no empate em 0 a 0 com o Santos, no estádio Nilton Santos, no último domingo.

O procurador do STJD, Luciano Hostins, rebateu a tese do Vasco, que culpou ao longo dos últimos dias e também em plenário o Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios) pelo incidente.

"Não é o Gepe, nem a PM, que estão em julgamento aqui, muito embora a defesa esteja colocando a responsabilidade sobre a PM. O que se viu foi que, se não fosse a atuação da PM, uma tragédia ainda maior teria acontecido. Uma tragédia aconteceu. Poderia ser maior. O Gepe é uma referência. Talvez fosse até possível aprimorar as táticas, mas responsabilizar o Gepe, não se aceita isso", afirmou.

Presente, o mandatário cruzmaltino Eurico Miranda acompanhou a sessão, chegou a interrompê-la ao falar e cumprimentou os auditores e o procurador.

"Eu tenho muito tempo nisso, muito tempo. Estava conversando com o Michel Asseff (advogado do Flamengo), tenho a honra de ser amigo do pai dele, e lamento profundamente o que eu tive de ouvir aqui hoje. O estádio de São Januário foi palco de acontecimentos memoráveis, cívicos e esportivos", disse, durante o tempo da defesa.

"Dizer que a PM atuou e é brilhante? Já diz tudo como se pensa a respeito. Partir de acusações sem prova de que o Vasco tem integrantes de organizada como funcionário. Não tem nenhuma prova disso. Mentira. O Vasco não recebeu nenhuma relação de torcedores impedidos", prosseguiu.

"O Vasco não tem nenhuma associação com vândalos, nenhuma associação com Black Blocks. A quem interessava alguma coisa que acontecesse ali? Ao Vasco? É coisa externa. Veio de fora para dentro. Isso que deve vir a ser apurado pelas autoridades. Mas a instituição? Pelo amor de Deus. Não pode pagar severamente pelo que vem acontecendo", completou.

Eurico deixou a sala de julgamento ainda durante o primeiro dos três votos.

A confusão aconteceu já no final do clássico, que teve vitória do Flamengo por 1 a 0. Torcedores vascaínos atiraram diversos objetos no gramado, enquanto os jogadores do Fla não conseguiam descer para os vestiários - a entrevista coletiva do técnico Zé Ricardo, inclusive, foi cancelada.

O conflito continuou do lado de fora e a torcida visitante demorou a deixar o estádio.

A relação da atual gestão do Vasco com a principal organizada do clube, Força Jovem, é umbilical ao atual mandato do presidente Eurico Miranda.

De acordo com um extenso relatório que consta em processo judicial contra a facção e ao qual o ESPN.com.br teve acesso, uma semana antes de ser eleito em 2014, o dirigente cedeu transporte para membros da torcida irem a um evento que terminou com pancadaria, uso de paus, pedras, barras de ferro e armas de fogo.

A relação se mantém estreita desde então.

A decisão desta segunda-feira é em primeira instância e ainda cabe recurso por parte da Procuradoria do STJD ou dos advogados dos clubes.

Mais de ESPN

image beaconimage beaconimage beacon