Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

H&M retira de site foto de menino negro com casaco em que se lê “macaco mais legal da selva”

Logotipo do(a) EL PAÍS EL PAÍS 09/01/2018 Pablo Cantó
Imagem da criança negra com a sudadera na loja on-line de H&M Espanha, tomada do cache de Google do dia 2 de janeiro © Fornecido por El Pais Brasil Imagem da criança negra com a sudadera na loja on-line de H&M Espanha, tomada do cache de Google do dia 2 de janeiro

O casaco com capuz e estampa pode ser comprado no site da H&M com duas opções de dizeres: “Especialista em sobrevivência” e “Macaco mais legal da selva”. O modelo que aparece vestindo o primeiro é um menino branco, o que aparecia vestindo o segundo era – até 8 de janeiro – um menino negro. A H&M retirou a fotografia depois de numerosos protestos de clientes através do Twitter e do Facebook desde a noite de domingo. Uma das primeiras queixas foi da blogueira britânica Stephanie Yeboa, cuja denúncia teve mais de 15.000 retuítes em menos de um dia.

Agenda do dia: veja o que você precisa saber hoje

“De quem foi a ideia na H&M de fazer esse doce menino negro usar um suéter com a frase ‘Macaco mais legal da selva’?”, denunciava Yeboa em seu Twitter. Também se somou aos protestos o colunista do The New York Times Charles M. Blow, que mostrava menos delicadeza que Yeboa: “H&M, vocês perderam a maldita cabeça?”, escrevia.

A H&M confirmou ao Verne que retirou a fotografia de todos seus canais e pede desculpas aos clientes que tenham se sentido ofendidos. Atualmente, a peça continua à venda, mas, diferentemente dos outros produtos, a imagem que o acompanha é unicamente do suéter, sem modelo. Apesar de a maioria das críticas ter sido dirigida à loja online no Reino Unido, a imagem também aparecia no site espanhol. A foto ainda pode ser vista no cache da página.

As capturas de tela e as reclamações começaram a circular na Espanha na manhã de segunda-feira, quando a imagem já tinha sido retirada de todos os canais da H&M.

Depois de publicar a mensagem, Stephanie Yeboa contou que muitos homens brancos lhe escreveram para dizer que não havia nada errado na fotografia da H&M. O mesmo aconteceu com algumas mensagens em espanhol que criticavam a imagem da marca de roupa. Yeboa – e outras tuiteiras negras – fizeram algo que deveria ser desnecessário: explicar por que isso é racista.

Como alguém que foi chamada muitas vezes de “macaca” por pessoas brancas (tanto na minha cara como online), isso é absolutamente inaceitável. Além do mais, se você é branco, não está na posição de dizer aos negros o que devemos ou não devemos considerar racista. Só porque VOCÊS não experimentam o racismo, não significa que ele não exista. Não me importo se as pessoas acharem que estou sendo “sensível demais” com relação a isso. O triste é a quantidade de racistas neste thread / menções dizendo as coisas mais desagradáveis, sem entender por que a foto é problemática. É muito decepcionante. Boa noite.

A palavra “macaco” foi utilizada durante décadas para referir-se de forma depreciativa às pessoas negras. Alguns dos casos de maior repercussão estão no futebol, como o de Dani Alves, que era alvo de bananas jogadas da arquibancada, e os gritos “Marcelo é um macaco” dos torcedores do Atlético ao jogador do Real Madrid.

_______

Vídeo: Milionário é 'gari voluntário' em cidade chinesa há 3 anos (Via Ruptly)

A SEGUIR
A SEGUIR


Siga o MSN no Facebook

 

Mais de El País

image beaconimage beaconimage beacon