Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Advogada que foi algemada em audiência cita 'desdém' de juíza leiga

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 12/09/2018 Notícias Ao Minuto

A SEGUIR
A SEGUIR

A advogada Valéria dos Santos, que foi algemada dentro de uma sala de audiência em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, revela que sentiu desdém por parte da juíza leiga desde o início da sessão.

Valéria teria se negado a sair do local e acabou detida por policiais militares após ordem da juíza leiga.

“Num primeiro momento eu senti um certo desdém da própria juíza leiga, mas abstraí isso e continuei com o direito de exercer minha profissão. Em determinado momento, eu quis verificar a peça de contestação. Porque não houve um acordo, então automaticamente eu teria que ver a contestação da parte ré e isso me foi negado”, contou Valéria em entrevista ao G1.

“Foi quando eu pedi a solicitação do delegado da OAB, fui buscar o delegado. Tudo foi muito rápido. Desci, voltei novamente à sala de audiência e fui comunicada que a audiência tinha sido encerrada. Por isso a minha resistência em não sair da sala e aguardar o delegado, para ele ver as relações que estavam sendo ocorridas naquele momento”, explicou a advogada.

De acordo com o presidente da Comissão de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio (OAB-RJ), Luciano Bandeira, a situação é considerada inconcebível e algo que nunca aconteceu na história do Brasil. “A postura da ordem é de perplexidade e indignação porque aconteceu ontem em Duque de Caxias algo que nem mesmo na Ditadura Militar se viu. Uma advogada, no exercício da profissão, presa e algemada dentro de uma sala de audiência. Isso é inconcebível e uma afronta ao Estado de Direito, uma afronta à advocacia brasileira, uma afronta ao direito de defesa”, disse Bandeira.

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon