Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Dançarina acusa Livinho de racismo e assédio em gravação de clipe musical

Logotipo do(a) Estadão Estadão 03/06/2020 Redação
Raielli Leon e MC Livinho © Instagram / @raiellileon | Instagram / @mc_livinho Raielli Leon e MC Livinho

MC Livinho foi acusado de racismo e assédio na noite de terça-feira, 2, pela modelo Raielli Leon. A artista trabalhou com ele na gravação do clipe Esquadrão de Verão, lançado em dezembro de 2017, e revela que o cantor se insinuou e fez piadas com o cabelo crespo dela.

"Ele começou a fazer dancinhas obscenas, virado para o meu lado, pegando no saco, como se estivesse sarrando. E fiquei incomodada ali naquele momento. Nem falou comigo o clipe inteiro e do nada fazendo essas brincadeiras. Para confirmar meu incômodo, ele tirou o celular do bolso dele, colocou no meu cabelo, puxou e falou: 'você roubou meu celular, cabelo!'. Eu já incomodada, tirei a mão dele. Quebrou o meu encanto pelo artista", conta.

Raielli, também conhecida como Ray, afirma que a maioria que estava por perto riu da situação e o ato voltou a se repetir. "Ele queria chamar a atenção, deu certo pra ele. Ele repetiu mais duas vezes: pôs a mão no meu cabelo, falou que estava espetando, catou um anel, colocou no meu cabelo, falou que eu tinha roubado o anel dele. E eu inconformada, mandando ele parar", completou.

As pessoas estavam filmando o momento, pois ocorreu enquanto gravavam o clipe. Mesmo assim, ninguém mandou Livinho parar. E o músico voltou a falar sobre o cabelo dela.

"Falavam: 'ai, Livinho, príncipe, pula na piscina'. Enquanto ele se arrumava pra pular na piscina, ele não estava satisfeito, virou pra mim e perguntou: 'vamos pular na piscina? Não quer ver se [o cabelo] molha?! Ele pegou no meu braço pra me puxar. Bati, tirei a mão dele e não pulei. Eu não tinha intimidade nenhuma com ele, não dei nenhuma liberdade e muito menos isso, que não é uma brincadeira."

Na terça-feira, 2, Livinho aderiu à campanha #blackouttuesday das redes sociais, em crítica à discriminação racial, e a modelo criticou, relembrando o caso. Além disso, Ray afirma que vem sofrendo ameaças e defende que as pessoas que a humilharam durante o clipe sejam presas.

"Acho um absurdo voce^s se apropriarem dessa causa como se fosse apenas um tag qualquer, como se voce^s tivessem um pingo de empatia, depois de tudo que voce^s vem me causando, na~o e´ uma postagem ou tranc¸as que vai fazer de voce^s menos racistas, na~o e´ sobre colocar pretas no clipe pra embelezar, e´ sobre respeitar cada uma de no´s, e´ sobre ter empatia pelas pessoas pretas e pela histo´ria do nosso povo", diz.

"Depois de tudo o que aconteceu e vem acontecendo eu quero deixar bem claro que na~o tenho mais medo das ameac¸as e na~o ligo mais para o stress que voce^s va~o continuar me causando, #racistasna~opassara~o e eu gostaria muito que voce^s fossem no mi´nimo presos pelo tormento, e a humilhac¸a~o que voce^s me causaram, isso na~o vai ficar assim. Eu não tenho medo", completou.

Uma publicação compartilhada por Raay (@raiellileon) em 2 de Jun, 2020 às 1:33 PDT

Anielle Franco, irmã da ex-vereadoraMarielle Franco, morta a tiros no Rio de Janeiro em março de 2018, demonstrou apoio à Raielli. "Lamento você passar por isso. Mas repito: você não está sozinha", disse.

Com a palavra, Livinho

MC Livinho conta que pediu desculpas e disse que há pessoas que querem dar fama para Raielli.

"Eu sou homem e arco com as minhas responsabilidades. Para meus fãs, está aí eu me retratando e pedindo para vocês terem compressão e entenderem o que aconteceu. Querem dar fama para a mina? Dá (sic) fama para a mina. Mas por que a mina não está levantando a bandeira do movimento dela? Por que ela está jogando uma situação que já foi resolvida? Só me responde isso", afirmou, referindo-se ao movimento Vidas Pretas Importam, que veio à tona recentemente com a morte do homem negro americano George Floyd, asfixiado pelo policial Derek Chauvin.

"Eu relevo muitas situações, mas quando chega a um ponto extremo de preconceito, de racismo, eu não consigo. As desculpas foram pedidas no dia. Fui pedir desculpa, pedir perdão. Eu já pedi desculpa no primeiro momento. Teve a brincadeira, sim, me retratei na hora, ela não aceitou. Não falei nada além. Ela está levantando coisas sobre mim que eu não falei, me transformando numa pessoa que eu não sou. Não sou culpado, me retratei."

Embora tenha sido elogiado por fãs, Livinho também foi criticado por internautas por participar da campanha #blackouttuesday, no Instagram. "Chega a ser meio irônico esse post, não? Após humilhar uma garota negra, né? Muitos falam o que os outros querem ouvir, mas não vivem aquilo", comentou uma internauta. "Muitos por aí pagam de antirracista, mas na hora de cometer não tá nem aí", escreveu outra. Confira:

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon