Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Dois PMs são presos acusados de executar suspeitos no Rio

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 31/03/2017 Leslie Leitão
Vídeo mostra PMs atirando em suspeitos caídos © image/jpeg Vídeo mostra PMs atirando em suspeitos caídos

Uma perícia no local, depoimentos de testemunhas, uma análise do perito legista no Instituto Médico Legal e um vídeo revelador. Com base nesse conjunto de elementos, a Delegacia de Homicídios (DH) prendeu em flagrante um cabo e um sargento do 41oBPM (Irajá), que no final da tarde de quinta-feira foram filmados disparando contra dois suspeitos que teriam participado de um tiroteio que resultou na morte de uma adolescente de 13 anos, dentro de uma escola na Fazenda Botafogo, zona Norte do Rio de Janeiro. Os dois policiais estão prestando depoimento e serão encaminhados para o Batalhão Especial Prisional (BEP). Ambos responderão por homicídio.

Leia também no MSN Brasil:
Governo Temer é reprovado por 55% dos brasileiros
Cerveró lucra com imóvel fruto de dinheiro sujo
Justiça decreta prisão do ex-delegado Protógenes

Fique por dentro de tudo o que acontece com o App MSN Notícias
Faça o download para Windows, Windows Phone, Android e iOS.


A imagem, feita da janela de um prédio, viralizou rapidamente nas redes sociais. Ela mostra dois homens deitados no chão em frente à Escola Municipal Daniel Piza, exatamente onde Maria Eduarda Alves da Conceição foi atingida por bala perdida, durante uma aula de educação física. Os PMs se aproximam e, no primeiro momento, o cabo Fabio de Barros Dias tira um fuzil de perto do primeiro suspeito, que ainda mexe a cabeça. Em seguida, o policial atira. Enquanto isso, o sargento David Gomes Centeno passa e vai na direção de um segundo homem caído. Perto dele, estaria uma pistola. O policial também atira contra o homem ao chão.

As identidades dos mortos ainda não foram reveladas, mas a DH já sabe que ambos eram criminosos do Morro da Pedreira, em Costa Barros. A morte da jovem e a execução geraram uma série de protestos que fecharam a Avenida Brasil e ruas da Pavuna. Criminosos aproveitaram para fazer arrastões, apavorando moradores e motoristas.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon