Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Emilio Dantas vive assessor de Tancredo Neves em 'O Paciente'

Logotipo do(a) Estadão Estadão 09/09/2018 Luiz Carlos Merten

Emilio Dantas: Emilio. ‘Beto Falcão tem compromisso com afeto’ © NIlton Fukuda/Estadão Emilio. ‘Beto Falcão tem compromisso com afeto’

Bastaram poucos anos de carreira – e o sucesso como traficante na novela A Força do Querer – para que Emílio Dantas ascendesse ao primeiro posto dos galãs da Globo. Atualmente, faz o protagonista de O Segundo Sol, novela das 9 de João Emanuel Carneiro. E, a partir da quinta, 13, ganha as telas dos cinemas numa nova parcerias com o diretor Sérgio Rezende, com quem já fez Em Nome da Lei. Rezende conta agora outra história real – O Paciente. Ou como o presidente eleito Tancredo Neves morreu sem assumir, graças a uma inacreditável sucessão de erros médicos.

Dantas faz um personagem real – Antônio Britto, o assessor de imprensa que depois se converteu em governador do Rio Grande do Sul. “Fazer o papel foi muito bacana porque Sérgio (o diretor) é um cara sério, que acredita na preparação. Não queria, e ele concordou comigo, imitar o Britto, pra que as pessoas ficassem comentando. “Ah, como ele é bom. Consegue fazer direitinho.’ Certas coisas eram inevitáveis. Tive de escurecer o cabelo. E por se tratar de um personagem que vive num mundo oficial, institucional, uso terno e gravata. Esse é um filme em que o figurino é muito importante. Contribui para a veracidade das situações e dos personagens.”

O ator gosta de dizer que o grande inimigo de Britto era o elevador. “Quando ele deixava o quarto do Tancredo e chegava para os encontros com jornalistas, o quadro sempre já era outro. Tudo mudava rapidamente e o próprio Tancredo diz, lá pelas tantas – ‘Eu não merecia isso.’ Ninguém merecia aquilo, muito menos o Brasil, que, pela primeira vez em décadas, elegia um presidente civil, mesmo que tenha sido numa eleição indireta.” Tancredo tinha um projeto para o Brasil, mas o filme não chega a revelá-lo. “O tempo todo a gente acompanha a preocupação dele com a normalidade democrática, seu medo de que os militares, que consideravam José Sarney um traidor, não empossassem o vice.”

Tancredo era um homem do diálogo, um negociador – e nesse momento de radicalismo da sociedade brasileira, contar a história de um moderado possui um significado muito forte. Só que o tema de O Paciente, adaptado do livro de Luiz Mir, não é tanto a moderação de Tancredo, mas o seu assassinato pelos médicos. É um thriller médico, e forte.” Mesmo não querendo imitar Antônio Britto, Dantas observa – “Tem uma cena que foi decisiva para mim, quando o Britto anuncia a morte do presidente. Antes disso a gente já o viu desabar, chorando. Na cena do anúncio, fui à fonte. Impressiona muito a sobriedade, quase a neutralidade como ele falou. Nesse momento, fui fiel, tentei reproduzir exatamente como foi.” E a novela – como é ser protagonista de uma trama das 9? O Brasil cabe na novela do João Emanuel? “Não sei se cabe, ou está ali dentro, mas o João tem um compromisso muito forte com a realidade e gosta de refletir sobre temas que estão na rua. De minha parte acho que o (personagem) Beto Falcão tem um compromisso muito grande com o afeto. Me preocupava a questão da baianidade. Encontro baianos na rua que me dão dicas. Não queria falsear, mas, como eu digo, o importante é o afeto. O Brasil tá precisando de afeto.”

Ele desconversa sobre a tal grande mudança que vai ocorrer no capítulo 100. “Já me deram texto até depois disso, mas ainda não gravamos o 100. (A entrevista foi na segunda, 3.) E tem tanta informação que não estou querendo avançar para não me perder.”

Repetir vídeo

____________

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon