Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

“Esse vírus é igual a uma chuva, vai molhar 70% de vocês”, diz Bolsonaro

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 03/04/2020 Maurício Ferro

O presidente Jair Bolsonaro disse na manhã desta 6ª feira (03.abr.2020) que a covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) é “igual a uma chuva”.

Vai molhar 70% de vocês. Isso ninguém contesta. E toda nação vai ficar livre de pandemia depois que 70% for infectado e conseguir os anticorpos. Ponto final. Agora, desses 70%, uma pequena parte, que são os idosos  e que têm planos de saúde, vai ter [sic] problemas sérios”, disse.

Eis a íntegra (9min13s):

Repetir vídeo

Bolsonaro disse que as autoridades estão tentando adiar a contaminação “para ter espaço nos hospitais”. Ele falou, no entanto, que há “1 detalhe: a sociedade não aguenta ficar 2, 3 meses parada. Vai quebrar tudo. Por demagogia, até a imprensa ali, né, por demagogia, tem uma disputa entre algumas autoridades.”

Apesar de ter feito pronunciamento oficial em cadeia nacional de rádio e TV no qual classificou a pandemia como “o maior desafio da nossa geração”, o presidente mantém há semanas 1 posicionamento favorável à retomada do trabalho por parte da população que não é considerada de risco.

Essas pessoas, no entanto, podem portar o vírus e transmitir para as demais, mesmo que estejam assintomáticas ou que os sintomas tenham sido leves. Por isso, existe uma tendência no mundo todo de privilegiar o distanciamento social em detrimento do retorno às atividades comerciais.

Por outro lado, Bolsonaro disse nesta 6ª feira (3.abr) que “a opinião pública aos poucos está vindo para o nosso lado”. A declaração foi uma referência à liberação do trabalho e menor proibição da movimentação nas cidades.

O posicionamento vai em sentido contrário às orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde), do próprio Ministério da Saúde comandando pelo ministro Luiz Henrique Mandetta e dos governadores dos Estados e de outras autoridades do Legislativo e do Judiciário, além de pesquisadores em Saúde.

“O político tem que ouvir o povo. Sabemos que vai ter mortes, ninguém nega isso”, disse o presidente nesta 6ª, referindo-se a uma suposta vontade da maior parte da população para voltar a ter rotina normal.

O ministro Mandetta já afirmou que, até o fim da semana que vem, o número de casos da covid-19 no Brasil vai subir “muito”. Também reconheceu que há subnotificação dos registros –incluindo as mortes. E admitiu que o sistema de saúde vai entrar em “colapso” até o fim deste mês. Ou seja, não há capacidade para atender a demanda esperada.

O presidente, no entanto, afirmou na última 5ª feira (2.abr), em entrevista à rádio Jovem Pan, que Mandetta precisa ser “mais humilde” e confirmou que os 2 estão “se bicando há 1 tempo”. Depois dessas afirmações, o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) manifestou-se de que o “mais recomendado” neste momento é seguir as orientações de Mandetta.

Bolsonaro deu sequência nesta 6ª à linha adotada durante a entrevista. Fez as declarações na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Reuniu seus apoiadores num canto distante dos jornalistas que trabalham no local. Os profissionais vêm sendo cada vez mais hostilizados. O presidente não falou com a imprensa.

“Estamos orando para o senhor numa corrente tremenda de oração. E temos certeza, presidente, que Deus é com o senhor e essa cambada vai se envergonhar. As máscaras vão cair por terra! (…) Em nome de Jesus, que máscaras vão cair por terra”, disse uma bolsonarista.

BOLSONARO, A CHUVA E A ECONOMIST

Não é a 1ª vez que Bolsonaro usa a chuva como metáfora para o coronavírus. Na 4ª feira (3.mar), o presidente disse em entrevista ao apresentador José Datena que o vírus “é igual a uma chuva. Ela vem e você vai se molhar, mas não vai morrer afogado”.

A charge da semana que revista inglesa The Economist, uma das mais conceituadas do mundo, ironizou Bolsonaro justamente por causa da “chuva”. Na imagem, o presidente chama a população a ir para as ruas em meio à pandemia e diz que uma “pequena chuva não vai machucá-la”.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon