Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Família pede nova perícia no corpo do miliciano Adriano da Nóbrega

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 14/02/2020 Jana Sampaio e Cássio Bruno
PARCEIRO - O miliciano Adriano: dupla com Queiroz em uma morte © //. PARCEIRO - O miliciano Adriano: dupla com Queiroz em uma morte

A família do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, morto no último domingo, 9, na área rural de Esplanada, na Bahia, afirmou que irá recorrer à Justiça baiana para que seja realizado um novo exame cadavérico do corpo do ex-capitão do Batalhão Especial de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (Bope), desta vez por um perito particular. A família estaria insatisfeita com o laudo que afirma que o ex-militar teria morrido em consequência de uma “anemia aguda secundário à politraumatismo”. O mesmo pedido fora negado pela Justiça fluminense.

O impasse sobre o que seria feito com o corpo de Adriano teve início quando aumentaram as suspeitas de que ele teria sido vítima de execução. A reportagem de capa desta semana de VEJA trouxe fotos do corpo do ex-capitão que reforçam suspeitas de que ele foi morto com tiros disparados à curta distância – o que contraria a versão oficial da polícia baiana. As imagens também sugerem que, antes de morrer, Adriano da Nóbrega pode ter sofrido violência. 

Onde está o corpo de Adriano?

Desde sua morte, a localização do corpo de Adriano segue envolta em mistério. Na terça-feira 11, um integrante do governo Witzel contou a VEJA que o ex-policial seria cremado às 12h do dia seguinte. O Cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio, onde aconteceria a cremação, confirmou: só estava aguardando o sinal verde da família. Mas, no dia 12, a Justiça do Rio negou o pedido da própria família para a realização da cerimônia. Alegou que a cremação violava a lei: ela a proíbe quando a morte não é natural.

Funcionários do cemitério do Caju disseram a VEJA que o sepultamento deveria ocorrer às 10h de quinta-feira 13. “A expectativa é de que seja enterro, e não cremação”. A Polícia Civil não informava onde estava o corpo. O Instituto Médico Legal (IML) disse que lá não era. VEJA ligou para mais de uma dezena de crematórios, funerárias e cemitérios da cidade: o corpo de Adriano não estava em nenhuma delas.

Nesta sexta 14, depois de circular a informação que o corpo de Adriano estaria no IML do Rio, a Polícia Civil voltou a negar que o miliciano estaria no local.

Com reportagem de Bruna Motta

________________

Vídeo: China se atrapalha com contagem de casos de Covid-19 (AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR


Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon