Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Justiça proíbe que atos pró e contra o governo ocorram ao mesmo tempo em SP

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 06/06/2020 Poder360
Manifestantes com faixa pró-democracia em ato na Avenida Paulista © Pam Santos - 31.mai.2020 Manifestantes com faixa pró-democracia em ato na Avenida Paulista

O juiz Rodrigo Galvão Medina, do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), atendeu a pedido do governo João Doria (PSDB) e concedeu na noite desta sexta 6ª feira (5.jun.2020) decisão liminar proibindo a realização de atos de grupos contra e a favor do presidente Jair Bolsonaro ao mesmo tempo e no mesmo local. As manifestações estão agendadas para ocorrer no domingo (7.jun), na Avenida Paulista.

O magistrado destacou na decisão (íntegra – 27 KB) que a medida visa a evitar confrontos e danos ao patrimônio. “Impeço que os grupos manifestantes manifestamente antagônicos entre si […] se reúnam no mesmo local e data, evitando-se assim confrontos e prejuízos decorrentes desta realidade, zelando as autoridades administrativas competentes para que tal empreitada possa ter seu efetivo sucesso.

Em nota, o Governo de São Paulo informou que busca consenso entre os organizadores dos protestos. “À luz da decisão judicial, a Secretaria da Segurança Pública e o Ministério Público estão em contato com os organizadores dos atos para se chegar a um consenso que garanta a segurança de todos e o direito à livre manifestação“, diz o texto.

Os atos contra o governo e pró-democracia na Avenida Paulista foram convocados por torcidas organizadas e organizações que representam estudantes, negros e LGTQIs. Do lado dos apoiadores de Bolsonaro, as manifestações de domingo (7.jun) são incentivadas por grupos como “Brasil contra o comunismo”,

“Movimento Juntos Pela Pátria”, “Damas de Aço” e “Guerreiras do Sudoeste”.

As manifestações contra o governo também foram incentivadas pelo movimento Somos 70%, que lançou campanha nesta 5ª feira (4.jun). Já partidos da oposição e entidades da sociedade civil como OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) recomendam que não haja aglomerações devido ao risco de contágio pelo coronavírus. O presidente Jair Bolsonaro também desencorajou seus apoiadores a irem às ruas no domingo.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon