Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Michel Temer decide que não haverá indulto de Natal em 2018

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 24/12/2018 Carolina Cardoso
Michel Temer foi criticado em 2017, quando revisou  as regras de concessão do indulto © Foto: Sérgio Lima Michel Temer foi criticado em 2017, quando revisou as regras de concessão do indulto

O presidente Michel Temer não vai assinar o indulto de Natal neste ano. A informação foi confirmada pela Secretaria de Comunicação do Planalto nesta 2ª feira (24.dez.2018).

A concessão de perdão de pena pelo presidente da República está prevista na Constituição Federal no artigo 84, parágrafo 21, que diz respeito às atribuições da cadeira. De acordo com o texto, compete ao chefe de Estado “conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei“.

Temer revisou por meio de decreto o artigo 84. Com a mudança, o indulto poderia ser concedido para quem cumpriu 1/5 da pena em caso de crimes sem violência ou grave ameaça –antes, era 1/4.

A medida recebeu críticas por abranger condenados por crimes de corrupção ativa, contra a administração pública e lavagem de dinheiro. O decreto de 2017 também extingue penas de multa e flexibiliza a reparação do dano causado.

O CASO DO INDULTO FOI PARA O SUPREMO

Em março, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso decidiu monocraticamente em caráter liminar (provisório) a retirada de alguns crimes do texto alterado por Michel Temer. A decisão suspendeu os benefícios de parte do indulto para quem fosse condenado por:

  • corrupção ativa;
  • corrupção passiva;
  • concussão;
  • peculato;
  • tráfico de influência;
  • contra o sistema financeiro nacional;
  • previstos na Lei de Licitações;
  • lavagem de dinheiro e ocultação de bens;
  • previstos na Lei de Organizações Criminosas;
  • penas de multa.

Barroso considerou inconstitucionais as regras originais do decreto editado por Temer. As normas determinavam, por exemplo, a concessão do indulto mesmo a quem não pagou as multas previstas em suas penas, ou àqueles que tivessem cumprido somente 20% do tempo de prisão a que foram condenados.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, criticou o decreto em concordância com Barroso e entrou com ação no STF pedindo pela suspensão da medida. Disse que a ação poderia refletir de forma negativa na credibilidade do Judiciário.

O STF começou a votar a ADI 5874 (ação direta de inconstitucionalidade) em novembro, sob a relatoria do ministro Barroso.

A maioria do Supremo votou a favor do indulto no 2º dia de julgamento. Mas a liminar do ministro Roberto Barroso, que suspendeu parte da norma, continuou valendo.

A decisão da Corte segue sem 1 fechamento, já que o julgamento foi interrompido por 2 pedidos de vista –1 do ministro Luiz Fux, que quer analisar melhor o processo, e 1 do presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Jair Bolsonaro: “Se houver indulto para criminosos neste ano certamente será o último

Na mesma semana em que o STF decidiu o futuro do decreto de Temer a respeito do indulto, o presidente eleito manifestou-se via Twitter afirmando que 1 de seus compromissos de campanha era “pegar pesado” com questões sobre “violência e criminalidade” e que se houvesse indulto “para criminosos” em 2018, esse seria o último.

Sérgio Moro, ministro da Justiça nomeado por Bolsonaro, apoiou o chefe no dia seguinte. Disse que o decreto é “generoso” e que, no governo Bolsonaro, esse tipo de política “será mais restritiva”.

Acredito que a solução para a superlotação dos presídios não seja simplesmente abrir as portas da cadeira, porque isso deixa a população vulnerável. E indultos tão generosos acabam desestimulando o cumprimento da lei. Acabam sendo incentivo a reiteração criminal. A política do governo será mais restritiva em relação a esses indultos generosos”, disse Moro.

Antes de 2017, Temer e Lula já tinham alterado o indulto

Até 2016, só poderia ser beneficiado pelo decreto presidencial quem tivesse cumprido 1/3 de uma pena máxima de 12 anos –para crimes sem violência, onde já se encaixam corrupção e lavagem de dinheiro. Naquele ano, Temer diminuiu o tempo de cumprimento da pena para 1/4 e, em 2017, para 1/5.

Lula também alterou as regras. Em 2006, o ex-presidente aumentou de 6 para 8 anos o limite de pena a ser considerada pelo juiz de execução penal de cada Estado, que concedesse os indultos de Natal.

O petista também abriu a possibilidade de benefício para mães que tivessem filhos menores com dependência exclusiva. Neste caso, a pena poderia ser maior que 8 anos, desde que a pessoa não tivesse cometido crime hediondo ou semelhantes –como tortura, terrorismo e tráfico de drogas.

VEJA TAMBÉM:

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon