Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Ministro italiano anuncia retomada de distanciamento em trens

Logotipo do(a) Ansa Ansa 6 dias atrás ANSA

(ANSA) - O ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, assinou neste sábado (1º) uma nova medida que reitera a obrigatoriedade do uso de máscaras protetivas e do distanciamento social em ambientes fechados, incluindo os trens de alta velocidade.

    A decisão foi tomada um dia após os trens de longa distância da Trenitalia e da Italo voltarem a funcionar com 100% de sua capacidade, em meio às preocupações e críticas do Comitê Técnico-Científico da Itália devido à emergência do novo coronavírus.

    "É certo que as regras de segurança aplicadas até agora permanecem em vigor nos trens. Não podemos nos dar ao luxo de diminuir o nível de atenção e cautela", afirmou Speranza.

    O ministro italiano assinou uma nova portaria que "reafirma que em todos os locais fechados abertos ao público, incluindo meios de transportes, é e permanece obrigatório o espaçamento de pelo menos um metro e a obrigação das máscaras".

    "Esses são os dois princípios essenciais que, juntamente com a lavagem frequente das mãos, devemos manter na fase de coabitação com o vírus", acrescentou.

    Com a nova decisão, os trens não poderão viajar com 100% dos assentos ocupados, principalmente depois de a curva de contágio ter crescido nas últimas semanas.

    Ontem(31), após o anúncio, pesquisadores e cientistas demonstraram preocupação com a medida e pediram a reavaliação da ordem para que as regras de prevenção fossem mantidas.

    Entre as determinações estão algumas obrigatoriedades, como o fato de que o viajante precisará certificar, no momento da compra do bilhete, que não está infectado com o novo coronavírus e que nem teve contato com algum doente. Além disso, deverá medir a temperatura antes de embarcar (limite de 37,5 graus), fazer uso obrigatório de máscara e substituí-la em viagens com duração superior a 4 horas. (ANSA)

Mais de Ansa

image beaconimage beaconimage beacon