Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Moradora de Pompéu morreu nove dias depois de beber Belorizontina

Logotipo do(a) EM.com.br EM.com.br 14/01/2020 Luiz Ribeiro
Paciente de Pompéu (foto) visitou parentes no Bairro Buritis, em BH © Prefeitura de Pompéu/Divulgação Paciente de Pompéu (foto) visitou parentes no Bairro Buritis, em BH  

A moradora de Pompéu, na Região Central de Minas Gerais, que morreu com os sintomas semelhantes aos da intoxicação exógena causadora da síndrome nefroneural, ingeriu a cerveja Belorizontina no dia 19 dezembro, na casa de parentes, em Belo Horizonte. No Natal, ela deu entrada no pronto-atendimento da Santa Casa de sua cidade natal, onde perdeu a vida três dias depois, em 28 de dezembro.

Foi feita a tentativa de transferência da vítima para Sete Lagoas, não efetivada a tempo por falta de vaga.

A Polícia Civil iniciou a investigação para saber se a morte dela foi mesmo provocada pela contaminação por dietilenoglicol, substância encontrada em garrafas da cerveja Belorizontina, da Backer.

No atestado de óbito consta “insuficiência renal” como a causa da morte.

Em Pompéu, já se especula que existe até a possibilidade de exumação do corpo para a busca de prova material, embora o assunto ainda não esteja sendo tratado pela Polícia Civil. Se for comprovada a suspeita, será a segunda morte relacionada ao consumo da cerveja da fabricante Backer.

A primeira foi de Paschoel Demartini Filho, de 55. Ele morreu no dia 7 passado, em Juiz de Fora (Zona da Mata) e foi sepultado em Belo Horizonte.

A morte investigada em Pompéu é de uma mulher de 60 anos. Embora a identidade dela não tenha sido revelada, a reportagem apurou que o nome é Maria Augusta. Conforme informou uma fonte de uma funerária, o corpo da mulher foi sepultado no Cemitério Municipal de Papagaios (distante 40 quilômetros de Pompéu), no dia 29 de dezembro.

Em entrevista nesta terça-feira, em Pompéu, a secretária de Saúde do município, Fernanda Guimarães Cardoso, informou que a vítima esteve em Belo Horizonte, a passeio, entre os dias 15 e 21 de dezembro, na casa de parentes, no Bairro Buritis, Região Oeste da capital.

Fernanda Cardoso revelou que, após a divulgação da nota técnica da Secretaria de Estado de Saúde sobre a intoxicação por dietilenoglicol, em 7 de janeiro, a Secretaria de Saúde de Pompéu procurou a família da moradora e tomou conhecimento que, no dia 19 de dezembro, quando estava em Belo Horizonte, ela ingeriu a cerveja Belorizontina.

Também nesta terça-feira, por meio de nota, a Secretaria de Saúde de Pompéu informou que, com o pronto-atendimento da Santa Casa, realizou a apuração e levantamento de informações do caso.

O objetivo era “posterior notificação e encaminhamento ao CIEVS-MG (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde)”.

Ainda segundo a secretária de Saúde de Pompéu, já foi feita a comunicação do caso com a Polícia Civil. A instituição já teve acesso ao protocolo da paciente e “já esteve no pronto-atendimento, apurando os fatos”.

Ela também falou sobre a possibilidade de exumação do corpo da moradora, caso as informações não sejam reunidas até então não sejam suficientes. “Mas, isso ainda desconhecemos e a Polícia Civil não nos passou ainda (se haverá) essa necessidade”, ressaltou.

Procurada na tarde desta terça-feira, a Polícia Civil informou que o caso de Pompéu não foi incluído ainda ao processo que investiga os casos de contaminação pelo consumo da cerveja Belorizontina.

____________________

Vídeo: Paraquedista é resgatado após 5 horas em penhasco (KameraOne)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de EM.com.br

image beaconimage beaconimage beacon