Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Os catorze bairros onde mais se furtam carros em São Paulo

Logotipo do(a) Veja São Paulo Veja São Paulo 23/04/2019 Carolina Giovanelli

© Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A artesã Regina Rustice, de 44 anos, sempre deixava o carro na mesma rua para ir à terapia, que frequenta há seis anos. Em julho passado, saiu da consulta no início da tarde, como de costume. Percebeu, então, que o veículo não estava mais do outro lado da via, no Tatuapé, Zona Leste da cidade de São Paulo. Hoje ela usa outros meios para ir até a consulta.

“Foi tudo muito rápido. Falei com o porteiro de um prédio perto, que me mostrou a filmagem, tinha sido há 10 minutos”, conta. “O cara (que furtou o veículo) simplesmente vinha vindo na rua, encostou no meu carro, foi tão rápido que não parecia que ele não era o dono.”

A Zona Leste é a região que reúne seis dos dez bairros campeões de furtos de veículo na cidade. Do total, a maioria dos casos (8 836) ocorre de manhã, enquanto a madrugada é o período do dia menos comum (1 951) para furtos do tipo. 

Confira a lista dos bairros mais visados e o número de furtos em 2018

São Mateus: 855

Sapopemba: 718

Ipiranga: 683 

Vila Mariana: 649

São Lucas: 643

Tatuapé: 641

Vila Prudente: 632

Penha: 587

Tucuruvi: 564

10º Perdizes: 540

11º Itaquera: 537

12º Água Rasa: 513

13º Lapa: 487

14º Santana: 475

A maioria dos veículos é levada de vias públicas (foram 23 422 casos), embora a capital também registre casos em estacionamentos pagos e de comércios e serviços, dentre outros. Os dados foram computados pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) a pedido do Grupo Tracker. 

Ao menos 40 144 automóveis foram furtados na cidade de São Paulo em 2018. O número representa uma redução de 6,7% em dez anos, quando foram registrados 43 056 casos. Na prática, isso significa que, em média, 109 carros são furtados diariamente na capital – ou seja, um a cada 4,5 minutos. 

Bairros

De todos os furtos em 2018 no estado, 41,46% ocorreram na capital. Como aponta o professor Erivaldo Costa Vieira, do Núcleo de Pesquisa da Fecap, os casos também afetam a população “flutuante”, que mora em outras cidades e trabalha em São Paulo.

O professor ressalta que as vias com mais casos são geralmente as de grande extensão, como a Avenida Sapopemba (que tem cerca de 4 quilômetros), que marcou 117 furtos no período. Entre as dezoito com mais ocorrências, há algumas de menor porte também, como a Rua Barão do Bananal, na Zona Oeste, que tem cerca de 1,5 quilômetro. 

Um dos motivos para haver menos roubos nas regiões mais próximas do centro é a maior presença de policiamento e segurança privada afirma o professor Rafael Alcadipani da Silveira, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Sobre furtos, o professor diz que, caso não ocorra mudanças no local, a tendência é continuarem ocorrendo. “Sempre o criminoso vai perceber onde é mais fácil para atuar. Se ele percebe que não muda o contexto de um lugar, vai continuar achando fácil atuar lá.” 

___________________

Vídeo: Ônibus cai em precipício e deixa 25 mortos na Bolívia (AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais em Veja São Paulo

image beaconimage beaconimage beacon