Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Temer vai mapear votos da reforma da Previdência na Câmara em reunião no domingo

Logotipo do(a) Estadão Estadão 18/11/2017 Vera Rosa
Michel Temer: O presidente Michel Temer © Dida Sampaio|Estadão O presidente Michel Temer

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer vai examinar no domingo, 19, em reunião com ministros e aliados, uma série de planilhas contendo as composições das bancadas na Câmara, a fim de checar quantos votos cada um dos partidos da base vai lhe dar na reforma da Previdência. O “mapa da mina” servirá de ponto de partida para Temer decidir as mudanças no primeiro escalão de sua equipe. As trocas serão feitas em duas etapas e o foco inicial será o PSDB.

Na tentativa de aprovar mudanças no regime de aposentadoria até meados de dezembro, o Palácio do Planalto condiciona a nova distribuição de cadeiras nos ministérios aos votos dados pelos aliados para a mexida na Previdência.

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o deputado Beto Mansur (PRB-SP), um dos vice-líderes do governo na Câmara, levarão ao presidente planilhas com dados sobre os deputados e a proporcionalidade das bancadas. Ali também estarão informações preciosas sobre como cada parlamentar se posicionou em votações consideradas fundamentais pelo Planalto, como as denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República contra Temer.

“Toda essa movimentação política precisa ter um resultado, que é a aprovação da reforma da Previdência”, disse Mansur. “Não dá para fazer trocas na equipe e não ter a contrapartida que interessa.”

Tucanos. Prestes a desembarcar do governo, o PSDB convocou uma reunião de sua Executiva para quarta-feira, em Brasília, com o objetivo de discutir, além do cenário político, a reforma da Previdência. O partido convidou especialistas para abordar o assunto. Até agora, tucanos afirmam que, mesmo deixando a Esplanada, votarão a favor de mudanças para acabar com “privilégios”.

Atualmente, o governo não tem os 308 votos necessários para aprovar a proposta de emenda à Constituição e, por isso, foi obrigado a desidratá-la. Mesmo assim, pelos cálculos da Câmara, nem 200 deputados endossam hoje o projeto -- o Planalto avalia que tem um pouco mais. A negociação, agora, se concentra na idade mínima para a aposentadoria (62 anos para mulheres e 65 para homens) e na unificação das regras do funcionalismo público com as da iniciativa privada.

“Vamos trabalhar para ter pelo menos 320 votos na Câmara. Se o partido A quer ampliar o seu espaço no governo, precisamos saber quantos votos vai dar para a reforma da Previdência. Mesma coisa com o partido B e assim por diante. Cada líder de bancada terá de ajudar nessa caça aos votos”, insistiu Mansur. Na lista das bancadas mais fiéis a Temer estão a ruralista e a da bala, que abrigam siglas conservadoras.

Para o deputado, que conversou recentemente com Temer, a reforma ministerial também será enxuta. “O presidente vai fazer uma reforma pontual para realinhar o PSDB com os outros partidos da base e, depois, com mais calma, fará as outras alterações. Não tem cabimento, por exemplo, trocar o Mendonça Filho (Educação) e o Henrique Meirelles (Fazenda) em dezembro porque o Bruno Araújo se adiantou para sair”, completou ele.

Filiado ao PSDB, Araújo pediu demissão na segunda-feira, abrindo caminho para Temer antecipar a dança de cadeiras. Com um orçamento de R$ 10,1 bilhões, Cidades é um dos ministérios mais cobiçados da Esplanada e deve ser entregue ao PP, um dos partidos que compõem o Centrão. Os tucanos também controlam a Secretaria de Governo -- responsável pela articulação política do Planalto com o Congresso --, Relações Exteriores e Direitos Humanos. Pela lei eleitoral, o prazo para os ministros-candidatos deixarem o governo termina no início de abril.


Siga o MSN no Facebook

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon