Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Vírus é como chuva: você vai se molhar, mas não morrer afogado, diz Bolsonaro

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 02/04/2020 Poder360
Datena durante entrevista com Bolsonaro nesta 4ª feira (1º.abr). Presidente desculpou-se por compartilhar fake news © Reprodução/Band - 1º.abr.2020 Datena durante entrevista com Bolsonaro nesta 4ª feira (1º.abr). Presidente desculpou-se por compartilhar fake news

O presidente Jair Bolsonaro pediu desculpas por ter compartilhado em suas redes sociais nesta 4ª feira (1º.abr.2020) uma postagem que culpava os governadores pelo desabastecimento do Ceasa de Belo Horizonte (MG). Ele apagou a publicação depois de a rádio CBN ir ao local e constatar que a central está plenamente abastecida. De acordo com reportagem, os produtores afirmaram que as atividades estão normais e não há risco de faltar produtos na capital mineira.

Em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, no Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, o chefe do Executivo federal disse que “não houve a devida checagem do evento”. Afirmou ainda: “Pelo que parece aquela central de abastecimento estava em manutenção. Quero me desculpar publicamente. A gente erra na notícia e eu tenho a humildade de me desculpar sobre isso”.

Ao reparar o equívoco, Bolsonaro, entretanto, destacou sua preocupação com 1 possível desabastecimento no país em meio à pandemia de covid-19 e que poderia vir a acontecer com a paralisia dos serviços. “Agora, tivemos contato com o Ceasa, com o Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), e tem caído realmente o fluxo de entrada de alimentos. Espero que não caia mais do que já caiu porque quando a gente fala em hortifruti, até conversei com a [ministra da Agricultura] Teresa Cristina sobre [isto] hoje. Se chegar ao ponto de haver a interrupção da produção, você leva de 60 a 90 dias para voltar à normalidade no tocante aos hortifruti-granjeiros.”

Em outro momento disse: “O vírus é igual a uma chuva. Ela vem e você vai se molhar, mas não vai morrer afogado”, argumentou. “Tem essas pessoas mais fracas. Às vezes a pessoa vive pobre, fraca por natureza, dada a falta de uma alimentação mais adequada. Então essas pessoas são quem sofre mais.”

Hidroxicloroquina

Bolsonaro manifestou confiança na atuação da hidroxicloroquina no tratamento contra o novo coronavírus. Disse que se reuniu com 1 grupo de pesquisadores que estuda a atuação do medicamento. “A cloroquina é uma realidade, é quase palpável. Falta uma comprovação científica, uma base maior. Parece que está tendo resultados que podem nos levar a uma certeza.” Também anunciou que, possivelmente, sairá da Índia 1 voo nesta 5ª feira (2.abr) com insumos a base de hidroxicloroquina.

A fala do presidente se dá no mesmo dia em que o ministro da Secretaria de Governo, general Ramos, também em entrevista a Datena, mas na Rádio Bandeirantes, ter revelado que o país asiático está enviando 6 toneladas do fármaco para o Brasil.

Auxílio a trabalhadores informais

O presidente sancionou o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais. Segundo ele, a medida de caráter emergencial é a mais importante da economia no momento. “Vai atender 54 milhões de pessoas com 1 custo total de aproximadamente R$ 98 bilhões.” Bolsonaro disse acreditar que algum dinheiro já possa ser liberado na próxima semana para os informais, independentemente da publicação da medida. “Publicar agora ou daqui a 2, 3 dias não tem problema, porque o trabalho para definir [os trâmites do pagamento] já está sendo feito.”

O chefe do Executivo defendeu que governadores e prefeitos tenham liberdade para tomar as providências que achem necessárias, mas voltou a dizer que alguns governadores aplicam “dose excessiva” nas medidas. “Parece uma competição. ‘Qual medida mais drástica eu vou tomar para dizer que estou mais preocupado com a vida’? Desde o começo eu falo que esse não pode ser o único ponto de vista.”

Pronunciamento em rede nacional

Bolsonaro também comentou o discurso em rede nacional na noite de 3ª feira (31.mar) que foi visto como uma mudança de tom em seu posicionamento, que é favorável a 1 isolamento vertical, destinado aos mais idosos e vulneráveis à covid-19.

“Eu botei no papel o que queria transmitir e só me ajudaram com as palavras, mas eu cito, se não me engano, 3 vezes a palavra emprego. E não é porque estou preocupado com emprego e não com a vida, mas a quantidade de pessoas que morrem com falta de renda, de alimentação, é enorme, muito maior do que o problema da doença em si. Esse auxílio [de R$ 600] vai ser enorme, a gente fica preocupado como vamos recuperar lá na frente”, disse.

País quebrado

O presidente disse que “já tem governador falando que não tem como pagar as contas do mês que vem”. “Claro, nossas receitas foram para a lona. Especialmente o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).” “Teve governador aí que fechou estrada, aí não arrecada, vai pagar servidor público como?”, questionou. “Aí aparecem medidas mirabolantes, como o presidente da Câmara [Rodrigo Maia (DEM-RJ)] querendo reduzir em 25% o salário do servidor”. Para o presidente brasileiro, a conta ainda vai chegar.

Embate com João Doria

O presidente da República declarou que, em relação ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), aceita conversar para chegar a 1 consenso. Os 2 vêm protagonizando troca de farpas em relação às medidas de contenção da pandemia. Em 1 dos desentendimentos, discutiram durante reunião com governadores da região Sudeste.

Eis a declaração do presidente na entrevista a respeito do governador tucano:

“Aceito conversar com ele [Doria]. Agora, uma pessoa, sempre quando precisa, busca. É igual o mau marido, quanto tem interesse na esposa. Ele faz carinho, quando não tem interesse se afasta. Quando o Doria precisou, usou meu nome pra campanha, bacana, tudo bem. acabou a eleição, o elemento começou já a dar alfinetada. Então, esse é o problema dele. Subiu na cabeça dele 2022 [ano da próxima eleição geral]. Ele pode ser uma pessoa mais inteligente do que eu, ter virtude. Pode. Mas ele tem que entender que as outras pessoas também têm virtudes. E eu cheguei aqui de forma limpa, direta, sem gastar, com o voto popular, e estou buscando fazer o possível pelo meu país. No meu país são 27 unidades da federação. Sou paulista. Quero o bem do povo de São Paulo. Agora, ele o tempo todo me alfinetando nas suas coletivas… ‘o presidente não está à altura do seu cargo etcetera, etcetera. Olha, vou dizer uma coisa: eu vou para o meio do povo. Eu não tenho medo de vírus nem de estar no meio do povo. Agora, duvido que ele faça o que eu faço. Afinal de contas, ele cercou com grade a sua casa em São Paulo. […] Uma pessoa completamente diferente de mim. […]. É o Estado mais rico do país. Eu converso com ele, agora, logicamente, uma conversa de alto nível”.

Mortes por covid-19

O presidente foi direto quando perguntado sobre as consequências do vírus. “Vai morrer alguém? Vai. Lamento. A minha mãe está com 93 anos de idade. Ela pode ser acometida, pela idade dela, pela fragilidade, problemas que ela tem de saúde. Ela vai ter dificuldade para vencer essa onda aí. Cuide do teu ente querido, mais velho, e vamos voltar ao trabalho pelo menos paulatinamente num 1º momento.”

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon