Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Vítimas de Mariana continuam sem lar definitivo

Logotipo do(a) IstoÉ Dinheiro IstoÉ Dinheiro 11/11/2019 Felipe Mendes
© Tiago Queiroz/Estadão

Quatro anos após o desastre que destruiu a região de Mariana (MG), as vítimas ainda aguardam uma casa nova. O prazo para que a Fundação Renova, criada pelas mineradoras responsáveis pela tragédia – Vale, Samarco e BHP – para reparar os danos ambientais e indenizar os atingidos, entregasse as residências definitivas em Novo Bento e Novo Paracatu de Baixo foi adiado para 27 de agosto de 2020.

A entidade, inclusive, está recorrendo da multa de R$ 1 milhão por dia de atraso e pretende solicitar prorrogação para a entrega das casas. Segundo a Renova, cerca de 320 mil pessoas já receberam R$ 1,8 bilhão em indenizações e auxílios emergenciais. A entidade também alega ter destinado R$ 6,7 bilhões a ações de reparação.

Até hoje, não há informações oficiais sobre os riscos à saúde que os rejeitos de minério, que ficaram impregnados na terra e poluíram as águas do Rio Doce, podem causar a curto, médio e longo prazo.

O Estudo de Avaliação de Risco à Saúde Humana (ARSH), divulgado pela Agência Pública, aponta que, nas residências atingidas, foram encontradas concentrações de cádmio, níquel, zinco e cobre muito acima dos limites de segurança vigentes na legislação brasileira.

(Nota publicada na Edição 1146 da Revista Dinheiro)

________________

Mais de IstoÉ Dinheiro

image beaconimage beaconimage beacon