Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

As cores (aprimoradas) de uma galáxia

Logotipo do(a) Revista Planeta Revista Planeta 10/09/2019
© Messier 81: diferentes comprimentos de onda em infravermelho compõem a imagem divulgada pela Nasa. F...

A galáxia Messier 81 foi um dos primeiros objetos astronômicos retratados pelas lentes do Telescópio Espacial Spitzer, lançado pela Nasa em agosto de 2003. Para comemorar o 16º aniversário do lançamento, a Nasa divulgou uma dessas imagens em infravermelho, com novos detalhes em observação e processamento.

A Messier 81 foi descoberta em 31 de dezembro de 1774 pelo astrônomo alemão Johann Elert Bode. Também conhecida como M81, LEDA 28630 ou NGC 3031, essa galáxia está a 11,6 milhões de anos-luz da Terra. Seu diâmetro é de 90 mil anos-luz, cerca da metade do tamanho da Via Láctea. É a maior galáxia do grupo M81, um conjunto de 34 galáxias localizadas na constelação da Ursa Maior.

    O belo resultado apresentado pelo Spitzer combina dados da IRAC (Infrared Array Camera) a comprimentos de onda de 3,6/4,5 mícrons (azul/ciano) e 8 mícrons (verde) com dados do Multiband Imaging Photometer (MIPS) em 24 mícrons (vermelho).

    Os comprimentos de onda mais curtos captam a distribuição das estrelas. Sem ser atrapalhada pela poeira, a imagem mostra uma distribuição de massa estelar suave e discretos braços espirais.

    Braços espirais

    Já os comprimentos mais altos expõem melhor os braços espirais externos. A emissão de oito mícrons (verde) é dominada pela luz infravermelha irradiada por poeira aquecida por estrelas luminosas próximas. A luz ultravioleta e visível das estrelas próximas ilumina a poeira.

    Os braços espirais da galáxia, que serpenteiam até o núcleo, são formados por estrelas jovens, azuladas e quentes, formadas nos últimos milhões de anos. Eles hospedam uma população de estrelas formada em um episódio de formação estelar iniciado cerca de 600 milhões de anos atrás.

    A protuberância central da galáxia contém estrelas muito mais antigas e vermelhas. É significativamente maior que a protuberância da Via Láctea.

    Há um buraco negro supermassivo de 70 milhões de massas solares no centro da Messier 81. Ele tem cerca de 15 vezes a massa do buraco negro central da Via Láctea.

    A agência espacial americana anunciou em junho que aposentará o Spitzer em janeiro de 2020. Apesar de seu líquido de refrigeração ter acabado em 2009, ele segue produzindo dados científicos relevantes. Mas a Nasa quer que o Spitzer se despeça ainda em alta.

    LEIA TAMBÉM:

    Nasa anuncia aposentadoria do telescópio espacial Spitzer

    Arte cósmica na Galáxia do Redemoinho

    Vídeo: Conheça o 1º adolescente a mudar de gênero no Chile (Reuters)

    A SEGUIR
    A SEGUIR

    Mais de Revista Planeta

    image beaconimage beaconimage beacon