Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Donald Trump embarga compra da Qualcomm pela Broadcom por questões de segurança nacional

Logotipo do(a) Gizmodo Gizmodo 13/03/2018 Tom McKay
© Reprodução


A Broadcom, fabricante de chips baseada em Singapura, fez uma proposta de US$ 117 bilhões para adquirir a rival americana Qualcomm. Seria a maior aquisição da história na tecnologia. Porém, a negociação foi embargada pela Casa Branca nesta segunda-feira (12), com alegações de que haveriam riscos à segurança nacional dos Estados Unidos.

• Os detalhes da fábrica de semicondutores da Qualcomm no Brasil, que deve ficar pronta em 2020
• O 5G está chegando e os testes já devem começar no início de 2019

Em um comunicado enviado à CNBC, a Casa Branca escreveu em nome do presidente Donald Trump: "Existe evidência crível que me leva a crer que a Broadcom Limited, uma companhia limitada organizada sob as leis de Singapura
ao exercer o controle da Qualcomm Incorporated, uma corporação da Delaware, poderá tomar medidas que ameaçam prejudicar a segurança nacional dos Estados Unidos."

Trump enviou uma ordem exigindo que ambas companhias "abandonem imediatamente a proposta de negócio", além de proibir que candidatos propostos pela Broadcom concorram a cargos do conselho da Qualcomm.

O Wall Street Journal noticia que a iniciativa foi provavelmente motivada por descobertas do Committee on Foreign Investment in the United States (CFIUS), que analisa negócios envolvendo empresas estrangeiras e avalia possíveis riscos à segurança nacional nestes casos.

O CFIUS alertou que a Broadcom desrespeitou uma de suas ordens: notificá-los antes de tomar quaisquer decisões sobre a realocação de sua sede para os EUA, uma medida que a empresa considerava justamente na tentativa de apaziguar preocupações sobre possíveis efeitos à segurança nacional do país.

Há um outro elemento irônico na história: o próprio Trump já foi a um evento com o CEO da Broadcom, Hock Tan, e anunciou que a empresa planejava mudar sua sede para os EUA. Trump elogiou o status da empresa na Fortune 100, disse que a mudança fazia parte de um padrão de retomada de empregos nos EUA sob seu mandato e ficou contente quando Tan afirmou que a mudança de sede levaria US$ 20 bilhões em receita para os EUA.

Segundo o Journal, o CFIUS está preocupado com a possibilidade da Broadcom cortar a divisão de pesquisa e desenvolvimento da Qualcomm, o que poderia deixar empresas americanas para trás no desenvolvimento de tecnologias emergentes como o 5G. Aparentemente, as preocupações se concentram em grande parte em torno da China.

"Dadas as conhecidas preocupações em relação a segurança nacional dos EUA sobre a Huawei e outras empresas de telecomunicações chinesas, um domínio chinês no 5G causaria consequências negativas substanciais para a segurança nacional dos Estados Unidos", informou um funcionário do CFIUS para as duas empresas, relata o Journal.

A Broadcom obviamente não está contente com tudo isso. Em um comunicado liberado para o Dan Primack da Axios, a empresa disse que vai "analisar" a ordem, o que parece ser um prelúdio para uma resposta legal.




Foto do topo: Donald Trump e o CEO da Broadcom Hock Tan na Casa Branca em novembro de 2017. Crédito: AP

Mais de Gizmodo

image beaconimage beaconimage beacon