Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Facebook admite que já desconfiava das práticas da Cambridge Analytica

Logotipo do(a) Canaltech Canaltech 22/03/2019 Felipe Ribeiro
Mark Zuckerberg © Fornecido por Unilogic Media Group Ltda Mark Zuckerberg

Quanto mais a gente mexe, mais a gente encontra, e o Facebook continua se complicando. Segundo o The Guardian, os funcionários da rede social estavam cientes das preocupações sobre “práticas impróprias de coleta de dados” pela Cambridge Analytica meses antes de a publicação inglesa informar, pela primeira vez, em dezembro de 2015, que a consultoria política havia obtido dados de milhões de pessoas. As preocupações apareceram em um processo judicial apresentado pelo procurador-geral de Washington DC e foram confirmadas pelo Facebook.

A nova informação “poderia sugerir que o Facebook tem sistematicamente enganado os legisladores britânicos sobre o que sabia sobre a Cambridge Analytica”, tuitou Damian Collins, presidente da comissão de cultura digital da Câmara dos Comuns e do DCMS em resposta ao processo.

Em um comunicado, um porta-voz da empresa disse que "o Facebook absolutamente não enganou ninguém sobre esse cronograma". O porta-voz afirmou, também, que funcionários do Facebook ouviram rumores de coleta de dados pela Cambridge Analytica em setembro de 2015, "algo que infelizmente é comum em qualquer serviço de internet", disse.

Facebook tinha percebido antes

A extração de dados, embora altamente controversa, não foi contra as políticas do Facebook, que na época permitia que a Global Science Research (GSR) recebesse informações não apenas de usuários que consentiram, mas de todos os seus amigos. Foi a transferência dos dados do GSR para o SCL Group que chamou a atenção da rede social.

Após o processo feito pelo procurador-geral de Washington DC, que autuou o Facebook por ter falhado em proteger os dados de seus usuários, um pedido de arquivamento por parte da rede social foi solicitado, o que gerou ainda mais suspeitas por parte das autoridades sobre o tempo de conhecimento da empresa sobre o tema. Logo após isso, surgiram mais documentos e evidências de que o Facebook sabia de tudo momentos antes de a "bomba explodir".

Os documentos são “trocas de e-mails entre funcionários do Facebook que discutem como a Cambridge Analytica (e outros) violou as políticas do Facebook”, ressalta uma declaração apresentada pelo procurador-geral da capital americana na segunda-feira (18).

Esses e-mails incluem "avaliações de funcionários que vários aplicativos de terceiros acessaram e venderam dados do consumidor em violação das políticas do Facebook durante a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016", aponta o arquivamento. "Isso também indica que o Facebook sabia das práticas impróprias de coleta de dados da Cambridge Analytica meses antes dos veículos de notícias informarem sobre o assunto", continua o arquivamento.

O Facebook ainda vai enfrentar os tribunais de Washington para se explicar sobre essas informações.

Fonte: The Guardian

Trending no Canaltech:

________________

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Mais de Canaltech

image beaconimage beaconimage beacon