Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Facebook vai restaurar conteúdo noticioso em plataforma na Austrália

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 1 dia atrás Poder360
Empresa aceita nova proposta do governo australiano e promete restaurar conteúdo na plataforma © Unsplash/Solen Feyissa Empresa aceita nova proposta do governo australiano e promete restaurar conteúdo na plataforma

O Facebook anunciou que voltará a liberar nos próximos dias o acesso a conteúdo noticioso em sua plataforma na Austrália. A mudança acontece após o governo australiano oferecer 4 emendas à proposta de lei que obriga empresas de tecnologia a pagarem os produtores de conteúdo.

A retomada do acesso e a proposta de emendas foi discutida pelo CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, com o secretário do Tesouro da Austrália, Josh Frydenberg, durante o último fim de semana (20 e 21.fev.2021).

Receba a newsletter do Poder360


Video: Novas funções chegam ao Android 12 (Dailymotion)

Repetir vídeo

A ausência dos conteúdos compartilhados por veículos de notícias, políticos e defensores dos direitos humanos, que foram retirados do ar na plataforma de Zuckerberg na última 5ª feira (18.fev), foi criticada pelos usuários australianos. No entanto, segundo o porta-voz do Facebook, a empresa foi “forçada” a bloquear o conteúdo por “não fornecer orientações claras sobre a definição de conteúdos de notícias”.

As emendas à proposta de lei tratam discutidas entre o Facebook e autoridades australianas tratam de:

  • fim da mediação mandatória entre agências de notícias e empresas de tecnologia quando não fecharem acordos sobre o valor do pagamento;
  • resistência por parte do governo a qualquer imposição regulatória por parte das agências que ultrapasse a defesa da relação entre imprensa e plataformas;
  • mediação por 2 meses anteriores a qualquer interferência do governo, resultando em um tempo maior para negociação; e
  • nova regra pela “sustentabilidade da indústria noticiosa australiana” com pagamentos justos.

No sentido contrário da estratégia adotada pela empresa de Mark Zuckerberg, o Google, que também estava fazendo campanhas contra a proposta de lei, fechou acordos com empresas e conglomerados de notícias na última semana.

A nova legislação australiana é estudada para ser aplicada também no Reino Unido e Canadá.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon