Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Google endurece medidas para remover conteúdo extremista do YouTube

Logotipo do(a) Forbes Brasil Forbes Brasil 5 dias atrás Redação
Getty Images © Fornecido por Forbes Brasil Getty Images

O Google, da holding Alphabet, vai adotar mais medidas para identificar e remover conteúdo terrorista ou violência extremista de sua plataforma de vídeos YouTube, informou a empresa em uma publicação de blog no domingo (18).

LEIA MAIS: Após ataques em Londres, Facebook quer se tornar “ambiente hostil” para terroristas

A companhia disse que adotará uma posição mais dura em relação a vídeos contendo conteúdo religioso supremacista ou inflamatório, ao emitir alertas e não monetizar ou recomendá-los aos usuários, mesmo se os vídeos não violarem claramente as políticas.

O Google ainda empregará mais recursos em engenharia e aumentará o uso de tecnologia para identificar vídeos extremistas, além de treinar novos classificadores de conteúdo para rapidamente identificar e remover esse tipo de material.

“Embora nós e outros tenhamos trabalhado por anos para identificar e remover conteúdo que viola nossas políticas, a verdade desconfortável é que nós, como indústria, devemos reconhecer que mais precisa ser feito. Agora”, disse Kent Walker, conselheiro-geral do Google.

A empresa expandirá a colaboração com grupos antiextremistas para identificar conteúdo que possa ser usado para radicalizar e recrutar extremistas.

VEJA TAMBÉM: Google sofre boicote de agências de publicidade

O Google ainda abordará potenciais recrutas do Estado Islâmico por meio de publicidade direcionada online e os redirecionará para vídeos antiterrorismo, em um esforço para fazê-los mudar de ideia.

Alemanha, França e Grã-Bretanha, onde civis foram mortos e feridos em ataques por militantes islâmicos nos últimos anos, vinham pressionando o Facebook e outras empresas de mídia social, incluindo o Google e o Twitter, a fazer mais para remover conteúdo militante e discursos de ódio.

Mais de Forbes Brasil

image beaconimage beaconimage beacon